O movimento Transformers organizou workshops para quem quer sair da caixa (mas não de casa)

Sai da Caixa (Mas Não de Casa) é um “roteiro virtual” de palestras e workshops voltadas para a cidadania jovem e a responsabilidade cívica. Uma iniciativa que pretende proporcionar uma “aprendizagem sem fronteiras” em tempos de isolamento.

Foto
Sessões decorrem entre 18 de Março e 8 de Abril DR

Nesta altura em que somos recomendados a limitar quaisquer deslocações ao essencial, as nossas rotinas ficaram completamente viradas do avesso. Mas não conseguirmos sair de casa não tem que significar estagnação. O Movimento Transformers, uma organização nacional de voluntariado, reconhece isso mesmo e, “para promover o conhecimento” e a união, mesmo em tempos de isolamento, criou um programa virtual de palestras e workshops repleto de “conceitos e ideias que possam ser úteis aos jovens portugueses”.

Inês Franco Alexandre começou por querer fazer do projecto Sai da Caixa (Mas Não de Casa) um "roadshow de conhecimento pelo país". O surto do novo coronavírus levou a que transformasse o conceito num roteiro virtual Movimento Transformers
O Movimento Transformers tem como missão aumentar o envolvimento comunitário através da dinamização de actividades voltadas para a participação cívica Movimento Transformers
O grupo é "composto por mais de 50 voluntários e 600 aprendizes em todo o país" Movimento Transformers
Fotogaleria
Movimento Transformers

Vai discutir-se muita coisa nas 22 actividades gratuitas – algumas das quais vão decorrer na plataforma Zoom e correspondem a sessões de aprendizagem práticas com capacidade máxima de visualização para 25 pessoas, pelo que necessitam de inscrição prévia – do projecto Sai da Caixa (Mas Não de Casa). Entre esta quarta-feira, 18 de Março, e 8 de Abril, os participantes poderão falar e ouvir sobre cidadania nos jovens, responsabilidade cívica, a importância dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o poder das redes para a mudança social, o envelhecimento activo ou o papel do voluntariado, por exemplo. Uma espécie de “roteiro virtual” que, nesta “situação única que alterou o nosso dia-a-dia”, explica Inês Franco Alexandre, responsável do Movimento Transformers, reforçou a “urgência de trabalharmos o nosso sentido de comunidade”. “É nos desafios maiores que percebemos que só há evolução se todos nos movermos juntos.”

“A partilha, a empatia e o civismo são as bases com as quais se constrói a mudança e os exemplos a seguir. Neste momento de pausa, vamos fazer a diferença e aproveitar para ajudar quem mais precisa, para que possamos ser os verdadeiros exemplos dentro da nossa comunidade”, é o repto lançado pelo grupo de voluntariado, que vai transmitir os eventos do programa em directo, na página de Instagram. Porque ficar em casa é “uma oportunidade de nos reinventarmos e inovarmos” – e porque “para aprender podemos estar em qualquer lado” –, a equipa pretende proporcionar uma “aprendizagem sem fronteiras”, capaz de passar de ecrã em ecrã e entrar pelo buraco da fechadura das nossas portas.

Para além de se encarregar da organização do Sai da Caixa (Mas Não de Casa), o Movimento Transformers quer que os seguidores do projecto gravem e enviem “vídeos de boas práticas”. O grupo já os desafiou, por exemplo, a ajudarem “pessoas com maior risco de infecção” de covid-19 em deslocações importantes, como idas a supermercados ou farmácias, ou a darem nova vida a roupas usadas que estão esquecidas nos armários, através da entrega a associações, “quando tudo isto passar”.