“Nunca tinha visto nada assim.” O primeiro dia de separação entre Portugal e Espanha

Países encerraram fronteiras às 23h de segunda-feira. Em Valença, autoridades portuguesas controlam identificação e destino dos automobilistas.

,Transporte público
Fotogaleria
Em Valença, a fila estende-se por quilómetros Tiago Lopes
,Carga
Fotogaleria
O tempo de espera médio para passar a fronteira ultrapassa os 60 minutos. Tiago Lopes
Carro
Fotogaleria
Tiago Lopes
,Carro
Fotogaleria
Tiago Lopes
Fotogaleria
Tiago Lopes
,Design automotivo
Fotogaleria
Tiago Lopes
Fotogaleria
Tiago Lopes
Fotogaleria
Tiago Lopes

“Bom dia. Para onde vai e o que é que leva?” A questão foi repetida até à exaustão pelas autoridades portuguesas em Valença, no primeiro dia após o encerramento das fronteiras entre Portugal e Espanha. A passagem foi exclusivamente reservada a camiões de mercadorias e a trabalhadores transfronteiriços, numa operação que contou com a participação da Guarda Nacional Republicana (GNR), Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e entidades de saúde.

No lado espanhol, as autoridades portuguesas controlavam as entradas. Do lado oposto, as vistorias estavam sob a alçada da Guardia Civil. António Lima, inspector-chefe do SEF, era um dos responsáveis pelo controlo dos camionistas e automobilistas que procuravam entrar em Portugal. “A cada viatura que passa é requisitada a identificação [do condutor e da carga]. Esta é uma zona industrial, o que faz com que existam muitos camiões com mercadorias e trabalhadores transfronteiriços”, explicou o responsável, justificando a elevada afluência de veículos.

Até às 12h de terça-feira, primeiro dia de encerramento, as autoridades portuguesas tinham fiscalizado mais de mil veículos. Apesar de o trabalho ser semelhante, existiam, contudo, algumas diferenças nos dois postos fronteiriços. Munidos de luvas e máscaras, as autoridades portuguesas faziam questão de manter a distância de precaução para os veículos. No lado espanhol, a Guardia Civil não tinha máscaras de protecção nem apostava tanto nos cuidados de segurança, mas as perguntas aos automobilistas foram semelhantes. “Vou deixar-vos passar porque é o primeiro dia. Mas todas as passagens de pessoas, a partir de agora, têm de ser acompanhadas de uma declaração da vossa entidade empregadora a confirmar que têm de efectuar algum trabalho em Espanha”, avisou o agente espanhol, antes de fazer sinal para que o carro do PÚBLICO avançasse e entrasse no país.

Foto
O tempo médio de espera para passar a fronteira ronda os 60 minutos Tiago Lopes

Não eram muitos os veículos obrigados a regressar a Espanha pelas autoridades: a maior parte dos incumprimentos dizia respeito à ausência de identificação. Algumas pessoas ainda desconheciam as novas limitações fronteiriças, tentando viajar em lazer entre os países. “A percentagem [de carros barrados] acaba por não ser muito alta. Os trabalhadores transfronteiriços já trazem a declaração própria”, explicou António Lima.

Fila chegou a ter quilómetros

A Guardia Civil foi obrigada a agilizar as inspecções a meio da manhã: por volta das 10h, a fila de camiões a aguardar vistoria para entrar em Espanha atingia vários quilómetros. Com a temperatura a aproximar-se dos 20ºC, o calor sentido dentro dos carros tornava a espera penosa. Esta aceleração na fiscalização colocou em causa o protocolo de segurança na parte espanhola? “Essa é uma pergunta a que não vou poder responder. Estamos a tentar cumprir ao máximo o que nos foi estipulado”, respondeu o inspector-chefe do SEF, António Lima. As autoridades espanholas no local não quiseram responder às perguntas do PÚBLICO.

Foto
Fronteira com Espanha fechada na Ponte da Ajuda NUNO VEIGA/LUSA

No meio de um mar de camiões, a cor verde do táxi de Sérgio destacava-se. Transportava uma família de portugueses residentes em Espanha. Tinham estado no Aeroporto Francisco Sá Carneiro na noite de segunda-feira, mas o voo que tinham agendado foi cancelado. No banco traseiro do táxi, com a companheira e duas crianças, António Feitas, técnico de electrónica, mostrava-se inconformado.

“Acho que isto [encerramento de fronteiras] é uma palhaçada. Nunca na minha vida pensei ver algo semelhante. Creio que só vai gerar pânico que, neste momento, mata mais do que o vírus. As pessoas estão a focar-se no pico [de casos]. A gripe também mata muita gente, mas não vejo ninguém a tentar erradicá-la. Acho que há certo tipo de interesses por trás disto. Sei que isto soa a teoria da conspiração”, exasperava António.

Foto
Portugal e Espanha voltaram a controlar fronteiras LUÍS FORRA/LUSA

“Devia parar tudo”

No veículo seguinte, Alfredo Penedo esperava com tranquilidade. O motorista espanhol tinha acabado de descarregar madeira em Viana do Castelo. “De manhã, quando passei a fronteira para o lado português, esperei cerca de uma hora. Agora deve ser a mesma coisa”, explicava, com tranquilidade. A espera nas primeiras horas da madrugada tinha sido alargada pelos civis que ainda não tinham conhecimento do encerramento de fronteiras.

Alfredo julgava que não devia estar ali: o motorista acredita o estado de emergência vai ser decretado em Portugal e que, numa questão de dias, todos os transportes se devem cingir aos bens essenciais. “Devia parar tudo. O que eu transporto não é um bem de primeira necessidade. Acho que só alimentos e outros bens do género deveriam circular. Dentro de quinze dias vão haver mais infecções e vamos parar tudo. Mas digo-lhe que em 22 anos de profissão nunca tinha visto algo assim”.

De Norte a Sul, a reposição dos controlos policiais decorre entre Valença - Tuy, Vila Verde da Raia – Verin, Quintanilha - San Vítero, Vilar Formoso – Fuentes de Oñoro, Marvão - Valência de Alcântara, Caia - Badajoz, Vila Verde de Ficalho – Rosal de la Frontera e Vila Real de Santo António - Ayamonte. O patrulhamento é feito por equipas mistas ou individualmente pelas forças de segurança de casa país com aquelas obrigações.

Espanha tem mais de 11 mil casos de infecção confirmados. O número de mortes aproxima-se dos 500. Em Portugal, há 448 casos confirmados. A primeira vítima mortal foi anunciada na segunda-feira. A decisão sobre um eventual estado de emergência poderá ser votada esta quarta-feira no Parlamento. Nas fronteiras, o encerramento estará em vigor até 15 de Abril, embora no dia 9 do próximo mês seja feita uma avaliação sobre a necessidade de prorrogar.