Coronavírus: queda nas reservas leva TAP a cancelar mais 2500 voos

Transportadora aérea já tinha anunciado que ia cancelar 1000 voos.

Foto
Transportadora tem plano de corte de custos que inclui licenças sem vencimento Nelson Garrido

No espaço de quatro dias, a TAP reviu em alta o número de voos que irá suspender por causa do novo coronavírus, passando de cerca de mil para 3500 voos. “A evolução do vírus Covid-19 tem tido um comportamento singular, que não permite uma comparação com experiências passadas”, afirmou a transportadora aérea esta segunda-feira, com comunicado.

Esse, facto, diz , “obriga os agentes económicos a reavaliar permanentemente a situação, tomando medidas com base na melhor informação disponível a cada momento”. Para já, a empresa fala numa “crescente quebra na procura”, registada na última semana, o que obriga a proteger a sua sustentabilidade financeira. 

Com base na informação que detém agora, a TAP diz que vai então reduzir a sua capacidade de oferta, “nos próximos meses”, em “mais 2500 voos, que somam aos 1000 já anunciados”. O cancelamento do total de cerca de 3500 voos representa “um ajuste na nossa oferta de 7% em Março, 11% em Abril e 19% em Maio”.

Até aqui, o calendário da diminuição dos voos da empresa ia apenas até Abril. Os cancelamentos, diz a empresa, dizem respeito sobretudo ao mercado europeu, “com especial incidência nas zonas mais afectadas”, mas também a ligações intercontinentais. Embora não mencione agora esses mercados, a TAP já referira os casos de Itália, Espanha e França.

No documento enviado aos trabalhadores, a empresa diz que está a oferecer “maior flexibilidade” aos clientes, ao permitir “a alteração gratuita das viagens reservadas entre 8 e 11 de Março, para qualquer destino TAP em qualquer data até ao final do ano”.

A empresa destaca que os sectores do turismo e da aviação civil “são dos mais afectados pelo vírus”. Na passada quinta-feira a TAP enviou uma carta aos trabalhadores onde deu conta de várias medidas de corte de custos através da suspensão ou adiamento de “investimentos não críticos” e do “corte de despesas acessórias”. Na lista está ainda a “renegociação de contratos e prazos de pagamento, antecipação de crédito junto de fornecedores, suspensão de contratações de novos trabalhadores” e também a “implementação de programas de licenças sem vencimento”.