Multi-instrumentista António Loureiro apresenta Livre no Hot Clube e no Porta-Jazz

Brasileiro de Belo Horizonte, António Loureiro apresenta pela primeira vez na Europa o seu mais recente trabalho, Livre. Esta sexta e sábado no Hot Clube, em Lisboa (a partir das 22h30), e domingo no Porta-Jazz, no Porto (às 18h).

Foto
António Loureiro CAIO PALAZZO

Compositor, cantor, arranjador, produtor e multi-instrumentista, António Loureiro nasceu há 33 anos em Belo Horizonte, no estado brasileiro de Minas Gerais. Livre é o seu quarto álbum a solo, lançado em 2019, depois de Antonio Loureiro (2010), (2011) e dos discos Ao vivo em Tóquio (2014) ou das parcerias com o violinista Ricardo Herz (onde Loureiro tocou vibrafone, 2014) e com o pianista e também compositor André Mehmari (2017).

Livre começou a ser apresentado no Brasil e no Japão em 2019 e chega agora à Europa, onde António Loureiro (piano e voz) se apresenta em trio, com Frederico Heliodoro (no baixo) e Felipe Continentino (na bateria). Com três noites marcadas no Hot Clube, em Lisboa (dias 5, 6 e 7 de Março, a partir das 22h30) e uma apresentação no Porta-Jazz, no Porto (dia 8, às 18h), o concerto de dia 6 no Hot contará, ainda, com a participação de dois músicos portugueses: o acordeonista João Barradas e o guitarrista André Fernandes.

Filho de músicos, diz a sua biografia oficial que António Loureiro começou cedo a tocar piano, trocando-o pela bateria e a ele regressando mais tarde, na universidade, quando se formava em percussão, descobrindo ainda por essa altura o vibrafone. A actuar nas noites mineiras desde os 12 anos, tornou-se com o tempo um dos músicos mais requisitados no Brasil, acompanhando nomes como Toninho Horta, Chico Amaral ou Juarez Moreira.

Em 2005, a par do seu caminho como instrumentista, foi-se iniciando como compositor, cria uma banda chamada Ramo. No seu primeiro disco a solo, que leva como título o seu nome, teve participações de André Mehmari, Quinteto Sujeito a Guincho, Fabiana Cozza, Marcelo Pretto e de David Linx, cantor francês que colaborou também no projecto. Fez, com esse trabalho, digressões pela Europa (França e Portugal), antes até de o apresentar no Brasil. O álbum seguinte, , levou-o mais longe, até ao Japão, onde passou a apresentar-se com regularidade e onde viria a gravar e a lançar, em 2014, o álbum Ao Vivo em Tóquio.

António Loureiro integrou também, durante cinco anos, a banda do cantor e compositor pernambucano Siba, como teclista e baterista. Na actualidade, a par do seu trabalho a solo, integra o grupo do guitarrista de jazz norte-americano Kurt Rosenwinkel, é baterista das bandas do cantor Cacá Machado e do guitarrista Pedro Martins e mantém duos com André Mehmari e com Ricardo Herz. Aliás, o seu mais recente disco a solo, Livre (onde Loureiro canta e toca piano, bateria, percussão, baixo eléctrico), conta com vários destes músicos: Ricardo Herz (violino), Pedro Martins (guitarra e coro), Kurt Rosenwinkel (guitarra), Tó Brandileone (coro), Frederico Heliodoro (baixo eléctrico), Rafael Altério (coro), Pedro Altério (coro),Genevieve Artadi (voz) e André Mehmari (sintetizadores).