Dirigentes, jogadores e empresários entre os 47 arguidos da operação “Fora de Jogo”

Procuradoria-Geral da República explica que no total foram constituídos 47 arguidos.

,Agente de esportes
Fotogaleria
Jorge Mendes,Jorge Mendes Reuters/STEFAN WERMUTH,Reuters/STEFAN WERMUTH
O futebol está sob suspeita
Fotogaleria
O futebol está sob suspeita Andre Rodrigues

A Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu nesta quarta-feira que no âmbito da designada operação “Fora de Jogo” e cuja investigação está a cargo da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), foram constituídos 47 arguidos (24 pessoas colectivas e 23 pessoas singulares), entre os quais jogadores de futebol, advogados, dirigentes desportivos e agentes ou intermediários. Jorge Mendes é um deles.

Em comunicado a PGR refere que em causa estão “suspeitas da prática de factos susceptíveis de integrarem crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais”.

No inquérito, que corre no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP),​ “investigam-se alguns negócios do futebol profissional, efectuados a partir do ano de 2015, e que terão envolvido actuações destinadas a evitar o pagamento das prestações tributárias devidas ao Estado português, através da ocultação ou alteração de valores e outros actos inerentes a esses negócios com reflexo na determinação das mesmas prestações”, pode ler-se na nota enviada à comunicação social.

No decurso da operação foram realizadas, em 56 locais, 40 buscas domiciliárias e 31 não domiciliárias, designadamente, em diversos clubes de futebol e respectivas sociedades e cinco buscas a escritórios de advogados.

Ainda de acordo com a PGR, estas diligências decorreram em vários pontos do território nacional e envolveram 11 magistrados do Ministério Público do DCIAP, sete magistrados judiciais, 101 inspectores tributários e 181 militares da Unidade da Acção Fiscal da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Casillas confirma buscas

Quem confirmou a realização das buscas foi ex-guarda-redes do FC Porto Iker Casillas. “Esta manhã, a Autoridade Tributária e Aduaneira [AT] portuguesa deslocou-se ao meu domicílio no Porto, tal como foi a outros 76 domicílios de sociedades desportivas, jogadores e clubes, para recolher documentação. Coloquei-me à inteira disposição deles. A transparência é um dos meus princípios”, escreveu Casillas na rede social Twitter.

De acordo com um comunicado também divulgado na página do ex-guardião, Casillas, que se encontra em Madrid, mostrou-se “absolutamente tranquilo” com a investigação e manifestou “plena confiança” na justiça portuguesa.

Iker Casillas, de 38 anos, chegou em 2015 ao FC Porto, clube que representou até ao mês passado, durante o qual anunciou o fim da carreira de futebolista, para se candidatar à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).