Coronavírus

O turismo pode gripar? No pior cenário, “não sei se gripa, mas vai reduzir a velocidade”

Os receios do novo coronavírus paralisaram o turismo na China e, com o alarme instalado na Europa, não se sabe o que pode acontecer. Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, critica o “circo mediático”, comenta os cancelamentos e reembolsos, enquanto apela à “racionalidade” e “prudência”. “É a imprevisibilidade que provoca este caos e o pânico”.

Foto
Pedro Costa Ferreira: "O circo mediático que está montado à volta deste tema tem produzido um enorme ruído e esse ruído tem dificultado de sobremaneira a configuração, o enquadramento, a relativização de todo o problema. " Nuno Ferreira Santos

Para o presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira, em entrevista ao PÚBLICO/Renascença, que pode ouvir completa esta quinta-feira a partir das 13h, no que concerne ao novo coronavírus, ​o importante são os “números” e os “factos”, seguir os conselhos aos viajantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros e as indicações da Organização Mundial de Saúde. O resto é “ruído”, diz, lembrando que, tirando a China e parte da Itália, não há limitação às viagens.