Sindicato dos juízes exige investigação urgente ao Tribunal da Relação de Lisboa

Ex-presidente do tribunal é suspeito de estar envolvido na viciação da distribuição de processos aos juízes, que deve ser feita por sorteio. Conselho Superior da Magistratura diz que já tinha em curso averiguação preliminar.

Foto
O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, foi constituído arguido na Operação Lex MANUEL DE ALMEIDA

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses quer uma sindicância urgente à distribuição de processos no Tribunal da Relação de Lisboa. Uma sindicância é um processo de averiguação administrativa sobre o funcionamento das instituições.

A posição surge na sequência da notícia de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, foi constituído arguido na Operação Lex, processo em que já figuravam como suspeitos o desembargador Rui Rangel e a sua ex-mulher e juíza Fátima Galante.

A informação de que Vaz das Neves é arguido na Operação Lex surgiu após a TVI ter noticiado que o ex-presidente do Tribunal da Relação estaria envolvido no viciamento da distribuição de processos. Pelas regras habituais o sorteio dos processos entre os juízes que compõem as diferentes secções dos tribunais é automático, mas há situações que permitem que seja manual.

É essencial apurar se houve escolha de processos para juízes ou de juízes para processos, por razões desviadas e fora das regras que determinam a distribuição aleatória, se essa escolha, a ter ocorrido, teve influência na decisão final e, se for esse o caso, quem tomou essas decisões e porquê”, afirma a associação sindical no comunicado em que pede ao Conselho Superior da Magistratura para desencadear a sindicância. 

“Se nessa sindicância forem apurados indícios de infracção disciplinar ou criminal, o Conselho Superior da Magistratura deve actuar em conformidade, instaurando os procedimentos disciplinares adequados, fazendo as necessárias participações criminais ao Ministério Público e prestando informação pública completa, dentro dos limites legais, que possa tranquilizar os cidadãos sobre a confiança e transparência e integridade do sistema de justiça”, preconiza. 

Para a associação sindicalnem os juízes cumpridores dos seus deveres podem ficar “sob um manto de suspeição injusta e perturbadora do adequado desempenho da função”, nem os cidadãos "podem ter dúvidas sobre a imparcialidade dos seus tribunais” e sobre a integridade de quem neles trabalha.

Posição idêntica assumiu também o bastonário dos advogados, Menezes Leitão. Em declarações à TSF, este dirigente defendeu ser “muito importante que o Conselho Superior de Magistratura informe o que se está a passar com o sistema de distribuição electrónica nos tribunais e que garanta que uma situação deste género, se existiu, não se possa repetir”.

“Se se verificou uma situação deste tipo - isso está por apurar, mas só haver essa suspeita já é de grande gravidade -, toda a confiança dos cidadãos no sistema de justiça pode ser posta em causa”, observou o bastonário. 

“As investigações devem ser levadas até ao fim, independentemente de quem forem os implicados”, diz por seu turno o presidente do Sindicato de Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, que se recusa a debruçar-se sobre o caso concreto. Ainda assim, o magistrado recorda que, a provar-se, a viciação da distribuição de processos pode constituir crime, se se destinar a beneficiar alguém. 

Entretanto, o actual presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Orlando Nascimento - que a notícia da TVI também implica neste caso - fez publicar um comunicado em que assegura que a distribuição de processos se realiza “através de um programa informático, com aleatoriedade e cumprimento do quadro legal”. E que as decisões dos juízes “são elaboradas com isenção, imparcialidade e preocupação com a defesa do interesse público”. 

Explicando que não pode pronunciar-se publicamente sobre este caso concreto, Orlando Nascimento sempre vai adiantando que tem vindo a prestar ao Supremo Tribunal de Justiça - que investiga o caso Lex juntamente com o Departamento Central de Investigação e Acção Penal -, ao Ministério Público e ao Conselho Superior da Magistratura “as informações necessárias ao exercício das suas competências”. 

Entretanto, o Conselho Superior da Magistratura acabou de revelar que já tinha em curso uma averiguação preliminar sobre a regularidade dos procedimentos de distribuição no Tribunal da Relação de Lisboa, cujos primeiros resultados serão apresentados em reunião plenária deste órgão de controlo dos juízes no próximo dia 3 de Março.