Caso de criança suspeita de ter coronavírus deu negativo

Criança regressada da China tinha sido encaminhada para o Hospital Dona Estefânia, em Lisboa.

,Pediatria
Foto
Hospital Dona Estefânia Nuno Ferreira Santos

Deram negativas as análises feitas à criança que tinha estado na China e estava internada no Hospital Dona Estefânia, unidade de referência para os casos pediátricos em Lisboa, com suspeita de infecção pelo novo coronavírus.

“A Direcção-Geral da Saúde (DGS) informa que o sétimo caso suspeito de infecção por novo Coronavírus (2019-nCoV) em Portugal, que foi encaminhado, hoje [sexta-feira], para o Hospital Dona Estefânia, resultou negativo após realização de análises laboratoriais pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa), com duas amostras biológicas negativas”, anunciou a DGS através de comunicado enviado ao final do dia. 

Este foi o sétimo caso suspeito de infecção pelo novo coronavírus em Portugal: já foram registados outros quatro casos em Lisboa e dois no Porto. Os casos anteriores revelaram todos ser negativos, depois de concluídas as análises. Quase todos eles apresentavam um historial de viagens recentes à China, à excepção de um caso.

O primeiro caso suspeito tratou-se de um homem estrangeiro residente em Portugal que tinha estado na China recentemente. No segundo, tratava-se de um homem de origem italiana que também esteve naquele país e apresentou sintomas quando estava numa fábrica de calçado em Felgueiras. O terceiro caso dizia respeito a um português residente na Grande Lisboa que apresentou “sintomas compatíveis com a nova infecção e uma ligação epidemiológica em função do percurso dos últimos dias”. O quarto tratava-se de um homem que tinha tido contacto com cidadãos alemães que adoeceram depois de uma formação com uma pessoa de origem chinesa. 

Os últimos dois casos foram identificados no início desta semana. Tratava-se de uma “doente regressada da China”, de nacionalidade chinesa e residente em Portugal, identificada em Lisboa e “um doente regressado também da China”, mas de nacionalidade brasileira, identificado no Porto. 

Desconhecem-se até ao momento os resultados das análises, realizadas esta sexta-feira, aos 20 cidadãos — 18 portugueses e duas brasileiras — repatriados da cidade chinesa de Wuhan, que chegarão a Portugal no dia 2 de Fevereiro. Desde então estão em isolamento profiláctico no Hospital Pulido Valente, em Lisboa. O período de quarentena voluntária de 14 dias termina este fim-de-semana. A directora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse no início da semana que sairão do hospital no sábado.

Estudantes chinesas do Politécnico de Bragança ficarão de quarentena

De acordo com o Jornal de Notícias, duas alunas de nacionalidade chinesa do Instituto Politécnico de Bragança, que foram de férias para o país natal durante o Ano Novo chinês, ficarão de quarentena voluntária assim que regressarem na próxima semana.

A medida foi proposta pela própria instituição de ensino, seguindo as sugestões das autoridades de saúde portuguesas. “Aceitaram bem o isolamento que lhes foi proposto”, disse o presidente do Politécnico, Orlando Rodrigues ao mesmo jornal.

Vários outros alunos de origem chinesa que iriam estudar em Bragança no próximo semestre cancelaram as suas viagens.

As 20 pessoas repatriadas da China, que estão em isolamento voluntário no hospital Pulido Valente, em Lisboa, desde o início de Fevereiro, repetiram análises na manhã desta sexta-feira. A directora-geral de Saúde, Graça Freitas, adiantou à agência Lusa que os resultados serão conhecidos ainda durante esta sexta-feira.

O Covid-19 já matou 1381 pessoas só em território chinês, epicentro do surto. O número eleva-se para 1384 tendo em conta as três vítimas mortais em territórios internacionais: uma nas Filipinas, uma em Hong Kong e uma no Japão. Já foram infectadas mais de 64 mil pessoas em todo o mundo. 

Sugerir correcção