Torne-se perito

Batida ou como criar no centro de Lisboa sem pagar renda

Até ao fim do mês, Pedro Coquenão (Batida) e Luaty Beirão (Ikonoklasta) habitam na Casa Independente, em Lisboa, para uma acção artística, desencadeada pelo primeiro, onde música, artes visuais e rádio se tacteiam.

Makaya McCraven
Fotogaleria
Pedro Coquenão (Batida) Humberto Mouco
Fotogaleria
Aguarela de António Costa Pinheiro

Em palco, dois seres que parecem ter vindo de outra dimensão, de cara tapada, com um deles ocupando-se da bateria, programações e, às vezes, da voz, enquanto o outro vai discorrendo sobre igualdade, democracia, mobilidade ou neocolonialismo, num registo que por vezes é informativo, noutras acusador ou irónico. Por vezes entra em acção a bailarina Sani, instituindo um ambiente de estranheza, mas também de proximidade.

O som é luxuriante, percussivo e físico, contendo elementos de recolhas sonoras feitas em África entre as décadas de 1920 a 1970 pelo etnomusicólogo inglês Hugh Tracey. Existe espaço para o sentido lúdico e a reinação, mas com substância. O público, esse, abandona-se ao ritual, inicialmente de forma tímida, como se não soubesse bem o que estava a presenciar, e depois de maneira mais participativa, deixando-se conquistar. Foi na última sexta-feira, na Casa Independente, no largo com o mesmo nome, no coração de Lisboa. Para a apresentação de Ikoqwe, um trabalho performativo e musical em construção, estiveram em palco, de cara oculta, o luso-angolano Pedro Coquenão, conhecido por Batida, e Ikonoklasta, ou seja Luaty Beirão, conhecido rapper e activista angolano. 

PÚBLICO -
Foto
Ikoqwe. Luaty Beirão & Pedro Coquenão

Os dois estarão, até ao final do mês, a viver no andar de cima do espaço da Casa Independente, desencadeando várias acções artísticas. A ideia pertence a Pedro Coquenão, com trabalho na área da música, rádio e artes visuais, que deu à iniciativa o nome irónico de Alojamento Artístico Local. Para já existe a exposição Neon Colonialismo, com peças da sua autoria e de outros artistas escolhidos por si (dispostas na Casa e, ao lado, na sala-galeria da Junta de Freguesia de Arroios), uma emissão de rádio (sintoniza-se a rádio Normal, na zona, em 88.4FM) e o musical Ikoqwe, resultante do projecto que os dois assumem, que será apresentado sextas e sábados de Fevereiro, sempre com novidades, seguido de sessões dançantes, como ocorreu no último fim-de-semana.  

A ideia é esbater fronteiras artísticas, espaciais (entre o lugar informal e o expositivo) e até de residência. No contexto dos excessos do alojamento local e da especulação imobiliária, afirma Pedro Coquenão que aquela foi a forma que encontrou de viver um mês no centro da cidade sem pagar renda. Di-lo com o habitual sentido de humor, que utiliza de forma desafiante e com pertinência, questionando certezas adquiridas.

A sua presença sente-se logo no exterior, à entrada, com uma carrinha azul estacionada (em Angola são conhecidos como candongueiro, veículos de transporte de pessoas e de divulgação musical), de onde sai música. No hall, nas escadas ou até na casa-de-banho a sua presença está em todo o lado. Há mapas do tráfico transatlântico de escravos, existe uma peça estilizada (Neon Colonialismo) que encadeia, para logo ao lado sermos confrontados com uma frase artesanal inscrita na parede ("O colonialismo foi/é mau"), como se quisesse interrogar se, sobre a Lisboa crioula, tão celebrada hoje, ainda existe uma revisão histórica a efectuar.  

Lá dentro vislumbra-se uma pintura a óleo encomendada a Lorenzo Degl’Innocenti, enquanto um estendal nos degraus de transição para o andar de cima nos deixa ver camisas, calças ou peúgas, sinal de que na casa está mesmo a viver gente. Mais surpreendente é a exposição patente na junta de freguesia, com a vitrina adornada por rádios, com uma selecção de peças escolhidas por Pedro Coquenão do acervo do Museu de Lisboa. Entre elas a maqueta original do Padrão dos Descobrimentos (escultura do mestre Leopoldo de Almeida), de 1940, não porque se reveja na simbologia, mas porque acha necessário falar dele, e uma série de aguarelas de António Costa Pinheiro, o artista plástico falecido em 2015 de que nunca ouvira falar e por cujo trabalho se entusiasmou.

Numa delas está inscrita a frase “o mar é meu o mar é teu o mar é nosso o mar é de todos o mar não é de ninguém.” É isso. É esse o desafio de Pedro Coquenão, habitarmos a Casa Independente, como se fosse a sua casa, como se fosse a nossa casa, um espaço plural, de todos.

Sugerir correcção