Centro de Tropas de Operações Especiais de Lamego melhora alojamento de praças

As instalações que formam os conhecidos Rangers dispõem de melhores condições para 260 militares.

Foto
Praças das tropas especiais com melhores condições de habitabilidade Rui Gaudencio

 O Centro de Tropas de Operações Especiais (CTOE), situado em Lamego, está a melhorar as condições de alojamento das suas praças, uma categoria que sofre da falta de efectivos, disse esta terça-feira o seu comandante, Raul Matias. “É geral no Exército. Faltam praças para as várias especialidades de apoio de serviços à unidade”, disse aos jornalistas Raul Matias, no final de uma visita do ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, ao CTOE.

Segundo o comandante, o CTOE vai lidando com essa situação “com muitas dificuldades”, tentando encontrar soluções para uma realidade diferente da que havia “há muitos anos, em que (as praças) cumpriam a sua função nos vários cargos”. A categoria de praças compreende uma série de especialidades, transversais a todo o Exército, de âmbito operacional (Armas Combatentes e de Apoio de Combate) e logístico (serviços).

João Gomes Cravinho iniciou esta terça-feira o segundo dia do primeiro Roteiro de Defesa Nacional com uma visita ao CTOE, que forma militares na área das Operações Especiais e apronta a Força de Operações Especiais. Em Lamego, encontram-se 260 militares, distribuídos por três aquartelamentos, um número que, segundo Raul Matias, “é suficiente para o cumprimento das missões”.

O governante congratulou-se com a realização das obras na área habitacional das praças, “muito confortável, muito agradável, com tudo aquilo que se pretende para jovens do século XXI”.

“Foi-me facultada toda a informação sobre as transformações aqui em Lamego, nomeadamente a criação de melhores condições para praças. Já estive a ver um primeiro conjunto de 24 camas, que vai ser alargado para 96”, contou aos jornalistas.

João Gomes Cravinho lembrou que o CTOE “é uma unidade que tem uma mística muito especial no Exército”, sendo conhecida por todos os militares e grande parte da população portuguesa. “Neste último mês e meio, encontrei militares de Lamego na República Centro-africana, no Iraque, no Afeganistão e no Mali, gente altamente formada, a transmitir o que sabe a outras forças que carecem desse apoio”, frisou.

Segundo o ministro, esta é “uma força de grande exigência”, que “não é para qualquer um, nem é sequer para qualquer militar”.

“É para militares que têm uma vocação muito especial, que têm a capacidade de passar por uma formação muito exigente e que desempenham funções que, por um lado, têm um elevado grau de risco, mas, por outro lado, requerem também a preparação muito especializada que recebem aqui em Lamego”, acrescentou.

O presidente da Câmara de Lamego, Ângelo Moura, lembrou que “esta unidade está umbilicalmente ligada à cidade e à região”, fazendo parte da sua história. “É essencial para o município e para a região a continuação desta unidade que, para além desta afirmação histórica, tem esta ligação muito afectuosa que todos podemos sentir pelos quatro cantos do mundo”, sublinhou o autarca.

Sugerir correcção