Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ
Fotogaleria
Reuters/ELOISA LOPEZ

Um gigantesco Kobe Bryant (abraçado à filha) — e outros murais para o lembrar

Um mural pintado de fresco nas Filipinas, outro repleto de post-its: as homenagens a um dos maiores jogadores de basquetebol de sempre não param de chegar.

Horas depois da morte trágica de Kobe Bryant, o chão de um campo de basquetebol na cidade de Taguig, nas Filipinas, ganhou um retrato da estrela norte-americana, abraçado à filha. Gianna, de 13 anos, foi outra das nove vítimas mortais da queda do helicóptero particular de Kobe, no domingo, 26 de Janeiro.

Desde aí, os tributos não pararam de chegar. Dentro do campo, nas redes sociais, nos estádios da Liga Norte-Americana de Basquetebol Profissional e nas paredes de Los Angeles, onde um dos melhores basquetebolistas de sempre passou os 20 anos de carreira (manchada por uma acusação de violação, em 2003). 

PÚBLICO -
EPA/ETIENNE LAURENT
PÚBLICO -
USA TODAY USPW/Reuters
PÚBLICO -
EPA/CJ GUNTHER
PÚBLICO -
EPA/ETIENNE LAURENT
Fotogaleria
EPA/ETIENNE LAURENT

Na Califórnia, um mural do artista urbano JC Ro encheu-se de post-its com notas de admiração, outro tornou-se um local de vigília. Na mesma cidade, mas pintado de fresco por Jules Muck no Pickford Market, pai e filha, que partilhavam a mesma paixão pelo basquetebol, sorriem. “Para sempre a menina do papá”, lê-se.

Sugerir correcção