Braga: câmara defende transformação da Confiança em residência universitária

Instalação de alojamento para cerca de 300 estudantes contempla requalificação da antiga fábrica de sabonetes e perfumes e a construção de um edifício de sete pisos num terreno adjacente, segundo um pedido de informação prévia (PIP) elaborado pela autarquia, que deve ser respeitado pelos privados.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Projecto
Fotogaleria
Projecto

Desde que a Confiança deixou de laborar na Rua Nova de Santa Cruz, a leste do centro histórico de Braga, no ano de 2005, já se propuseram vários usos para o edifício datado de 1921, como o de centro cultural, de incubadora de empresas tecnológicas ou o de centro Ciência Viva. A câmara municipal determinou, porém, que o espaço está destinado ao alojamento universitário, após ser vendido a privados. “Consignámos o edifício a um uso que consideramos estratégico: o de ser residência universitária. Poderão ser criadas condições de acolhimento para 300 estudantes naquele local”, esclareceu o presidente da câmara, Ricardo Rio, em conferência de imprensa realizada nos Paços do Concelho nesta quarta-feira.

Para alcançar esse objectivo, a maioria PSD-CDS/PP que lidera a autarquia elaborou um pedido de informação prévia (PIP) que enquadra as futuras intervenções nos 6.323 metros quadrados que congregam a antiga saboaria e o terreno contíguo, já aprovado e homologado pelo Conselho Nacional de Cultura – essa entidade abriu, em Novembro de 2018, o processo de classificação do edifício desenhado por José da Costa Vilaça.

Ao lado de Ricardo Rio, o responsável pela Divisão do Centro Histórico do município, Pedro Lopes, adiantou que a antiga fábrica, além de uma residência, vai também albergar um centro interpretativo ou museu da Fábrica Confiança, com 500 metros quadrados, e ainda espaços de restauração, de comércio e de apoio à residência. No terreno a norte, acrescentou, será construído um edifício com sete pisos acima do solo e dois pisos abaixo, para estacionamento (150 lugares), que vai acolher o grosso do alojamento. No espaço entre os dois edifícios, a autarquia prevê o restabelecimento da antiga Rua do Pulo, desactivada na sequência do crescimento da fábrica, durante o século XX.

O documento elaborado pela câmara indica ainda que as futuras intervenções têm de respeitar “todas as características arquitectónicas e patrimoniais existentes”, incluindo o troço da Via Romana XVII ali existente. Para Ricardo Rio, essa ideia vai além da recuperação das três fachadas e da chaminé, exigida pelo caderno de encargos apresentado em Setembro de 2018, quando a câmara aprovou a alienação da Confiança, revertendo a compra efectuada pelo município em Dezembro de 2012.

O autarca considera ainda que a residência universitária é a única opção capaz de preservar a Confiança enquanto “memória do passado industrial” de Braga, acabar com a “degradação” da zona e promover a ligação à Universidade do Minho – o campus de Gualtar dista cerca de 600 metros da antiga fábrica.

Num momento em que há “lacunas de habitação para os estudantes” e “interessados em construir residências”, acrescentou Rio, o PIP dá mais segurança aos investidores que tencionem comprar a antiga fábrica. Depois da suspensão das hastas públicas agendadas para 20 de Novembro de 2018 e 30 de Abril de 2019, o processo de alienação foi interrompido após as providências cautelares interpostas pela plataforma cívica Salvar a Fábrica Confiança, defensora de um centro cívico e cultural naquele espaço, e pelo Ministério Público, indeferidas em Junho e Julho do ano passado.

Ao condicionar o futuro uso do espaço, a câmara acabou por baixar a avaliação do imóvel de 3,87 para 3,65 milhões de euros. Essa alteração tem, contudo, de estar inscrita num novo caderno de encargos para a venda do imóvel, que terá de ser aprovado na próxima reunião do executivo municipal, segunda-feira, e na próxima reunião da assembleia municipal, dia 24 de Janeiro. A data da hasta pública só será conhecida a partir de meados de Fevereiro, admitiu Rio.

Cidadãos falam de “empreendimento de luxo”

Opositora à venda do edifício, a plataforma cívica Salvar a Fábrica Confiança considera que a decisão da autarquia possibilita aos promotores imobiliários transformarem aquele espaço num “empreendimento de luxo”, que crê inacessível para a maioria dos estudantes da Universidade do Minho. “A autarquia está a vender património municipal para que um promotor imobiliário facture milhões de euros por ano, criando a ilusão de que está a responder à procura de alojamento de estudantes”, reitera o movimento constituído por 20 associações de Braga.

Para a plataforma, o edifício de sete andares vai fazer subir os preços da habitação na cidade e, ao mesmo tempo, suprimir o último logradouro com potencial para servir de “espaço público” numa zona “intensivamente urbanizada” e conhecida por “vários negócios imobiliários questionáveis”, de São Vítor, a freguesia do concelho mais populosa (supera os 30.000 habitantes).