Comentário negativo no TripAdvisor vale 300 euros a hoteleiro de Mérida

Dono de hotel de três estrelas Romero Mérida não gostou de comentário que o acusava de fraude e recorreu aos tribunais.

,Hotel
Foto
A piscina do espaço hoteleiro Hotel Romero Mérida DR

A quatro quilómetros de Mérida, em Espanha, há um hotel de três estrelas e 60 quartos, que se autodeclara como “um luxo urbano”, mas com a avaliação de 1,5 estrelas, ou “fraco”, no site de turismo TripAdvisor. O “complexo hoteleiro” é um espaço típico de beira de estrada, com um grande restaurante, bomba de gasolina e quartos vocacionados para o descanso de quem está a meio de uma viagem. Em 188 avaliações feitas no TripAdvisor, 119 são “terríveis” (63% dos comentários), mas houve um que desagradou em particular ao dono do hotel. 

Segundo o El País, o comentário do utilizador Jorge-Troya, que acusava o hotel de “fraude” e “um roubo”, levou a que José Romero processasse a empresa norte-americana. Romero queria que a crítica “insultuosa” fosse apagada — o comentário denunciava um espaço sujo e caro, com um mau atendimento, e uma sandes mista com um custo de nove euros.

O empresário acabou por conseguir ganhar o processo contra a empresa norte-americana e, para além de ver o comentário apagado da página, vai receber uma indemnização de 300 euros, num processo passível de recurso. Trata-se, segundo o advogado do hotel, da primeira sentença deste género, pois dá razão ao hotel que viu a sua reputação afectada pelos comentários de utilizadores.

O proprietário disse que não podia tolerar que o “insultassem e ameaçassem” e acabou por enviar por e-mail uma reclamação a 4 de Outubro de 2018, mas o portal nada fez, nem respondeu. No próprio julgamento a empresa também não se fez representar. A sentença afirma que “os argumentos utilizados afectam a honra” do proprietário e diz que este comentário “não se enquadra no direito da liberdade de expressão”. 

Há também comentários de utilizadores portugueses na plataforma: Carlos Pinto, de Leiria, diz que o quarto em que esteve “tinha um cheiro nauseabundo” e que a sanita do seu quarto “tinha dejectos, o que indica que o quarto não tinha sido limpo”. Apesar de solicitar a troca de quarto o mesmo “foi recusado”, tendo escrito no livro de reclamações.

Mas também há lugar a “surpresas”, como no caso de Marli Carvalho Valentim. Na plataforma a utilizadora escreveu que “com tanta crítica negativa uma pessoa até fica assustada”, mas que não tem “nada de negativo a apontar”, até porque “o quarto era enorme, limpo, e à noite super silencioso”. Resultado final: três estrelas atribuídas, bem acima da média do hotel.

Sugerir correcção