O que roubam os hóspedes nos hotéis? Toalhas, roupões… e colchões

Um inquérito a mais de mil hotéis, na maioria localizados na Europa, trouxe algumas surpresas em matéria de “souvenirs” levados por clientes.

Foto
Rui Gaudêncio/Arquivo

Quem nunca saiu com um sabonete ou frasco de champô a mais na mala que atire a primeira pedra. Mas... e itens maiores, que nem são oferecidos pelos hotéis como cortesia? Segundo um estudo da Wellness Heaven, toalhas, roupões e cabides são os artigos mais roubados. Mas há quem leve também secadores de cabelo, máquinas de café, comandos de televisão ou colchões. Sim, os colchões das camas.

Dos 1157 hotéis inquiridos (cerca de 600 hotéis de quatro estrelas e 500 de cinco estrelas, maioritariamente localizados na Europa) pelo portal que tem base na Alemanha, 4,2% admitiram já ter dado pela falta de pelo menos um colchão, apenas menos 0,1% que o número de relatos de candeeiros desaparecidos. E, de acordo com as conclusões relatadas, é até mais provável que o roubo tenha sido feito num hotel de cinco estrelas do que num alojamento do patamar abaixo (8 vezes mais provável), assim como o desaparecimento de obras de arte, cobertores, almofadas, tablets ou televisões.

PÚBLICO -
Aumentar

Mas como desaparecem os colchões? "Como é que exactamente tão volumosos bens são transportados sem ninguém dar por eles para fora do hotel continua um mistério. A nosso pedido, alguns hoteleiros informaram-nos que tal só aconteceu de madrugadas, com o uso de elevadores que conduzem directamente a parques de estacionamento subterrâneos”, refere-se.

No entanto, contam os hoteleiros, estes não são sequer os roubos mais bizarros. Num hotel no Reino Unido, por exemplo, um hóspede retirou os números da porta do quarto. Em França, um cliente foi apanhado a roubar uma cabeça de javali embalsamada. Na Áustria, desapareceram os bancos de uma sauna. E em Itália, um hotel ficou sem piano. “Quando entrei no lobby, percebi que faltava alguma coisa e logo fiquei a saber que três homens desconhecidos tinham tirado o piano de cauda. Como é óbvio, nunca reapareceu”, descreve o proprietário.

A maioria dos hóspedes, contudo, acaba por levar artigos de menor valor. As toalhas de banho são as mais cobiçadas (já aconteceu em 77,5% dos hotéis inquiridos), assim como roupões (65,1%), cabides (49,3%), canetas (39,1%), talheres (33,6%) ou artigos de cosmética (32,8%). Outros objectos levados são, por exemplo, pilhas e baterias, pratos, telefones e lâmpadas. Também não é incomum, segundo o inquérito da Wellness Heaven, o desaparecimento de todo o papel higiénico...