Luis Miguel Cintra contra os males no teatro de hoje

Canja de Galinha (com Miúdos) é a nova criação do fundador da Cornucópia e está em cena no Museu da Marioneta até 29 de Dezembro. Uma subtil batalha contra os males do teatro de hoje.

Foto
Luis Miguel Cintra "coseu" duas peças de Camilo Castelo Branco Levi Martins

“Os espectáculos que tenho feito sem a companhia da Cristina Reis e desde que a Cornucópia fechou (Um D. João Português, Ermafrodite) são tristes, são feios. Custa a entender de que assunto falam.” Assim escreve Luis Miguel Cintra num texto distribuído aos jornalistas no ensaio de Canja de Galinha (com Miúdos), um novo espectáculo da Companhia Mascarenhas-Martins que dirige no Museu da Marioneta, em Lisboa, até 29 de Dezembro. O tom é de desalento e de desilusão, mas transforma-se depois em algo mais, numa vontade de fazer, apesar de tudo. E é por isso que o ouvimos depois, de viva voz, reconhecer que esta “grande tristeza” se faz hoje acompanhar por uma “grande liberdade”. “O efeito que os prémios tiveram sobre mim foi a vantagem de não precisar de me justificar tanto a cada novo espectáculo que faço”, diz o encenador. “Deram-me o aval de que a qualidade não era má. E isso deu-me a possibilidade de me sentir muito mais livre.”