Rui Gaudêncio
Entrevista

Fernando Venâncio: “O português é um fenómeno tardio”

O linguista Fernando Venâncio tem, em Assim Nasceu Uma Língua, a obra de uma vida. Um livro onde, desfazendo mitos, nos diz que o português é um fenómeno historicamente tardio, vindo duma língua única junto com o galego, de que se separou a partir de 1400 e ao qual deve muita da sua latinidade.

O relato de uma permanente inquietação: assim nos é apresentado o livro Assim Nasceu Uma Língua, de Fernando Venâncio, sobre as origens do português. E essa inquietação levou-o a concluir, aos 74 anos, uma obra a que nenhum linguista ainda se abalançara, embora pudesse tê-lo feito. O que o moveu? “A curiosidade, sem dúvida. E a vontade de ir até onde ninguém tinha ido”, diz Fernando Venâncio ao Ípsilon. Nascido em Mértola, Baixo Alentejo, a 13 de Novembro de 1944, foram os lugares por onde depois andou (Lisboa, logo aos 2 anos, Braga aos 10, Amesterdão aos 26, formando-se aí em Linguística Geral) que o incentivaram a olhar os fenómenos linguísticos com abertura e ousadia. Foi isso que fez com a língua portuguesa, indo até às suas origens mais remotas, para concluir que a história do português é “em larga medida, a história das suas tentativas de afastamento do galego” (Pág. 114). Por isso, concluiu, “denominar português qualquer variedade linguística anterior a 1400 é resvalar num anacronismo, e pelo menos numa sofrível incongruência. Até essa data, Portugal utilizou a língua que herdara ao fazer-se independente: o galego.” (Pág. 83)