CDS prepara 15 moções de estratégia global

Um dos textos vai abordar questões como adopção por casais homossexuais.

,Manuel Monteiro
Foto
Assunção Cristas no congresso de 2018 Paulo Pimenta

Depois do desastre eleitoral das legislativas, o CDS prepara-se para ter uma discussão viva no congresso de 25 e 26 de Janeiro: há recolha de assinaturas para 15 moções de estratégia global, entre as quais estão as dos candidatos à liderança do partido, e também de figuras como Filipe Anacoreta Correia. Há já dois candidatos assumidos à sucessão de Assunção Cristas – João Almeida e Filipe Lobo d’Ávila – e pode ainda existir mais um, Francisco Rodrigues dos Santos. Uma das moções, a de Nuno Melo, admite vir a ter um candidato no congresso.

O ex-deputado Filipe Anacoreta Correia confirmou ao PÚBLICO que está a preparar uma moção de estratégia global mas não quis adiantar o seu teor. O texto não terá candidatura à liderança ao contrário de outras já anunciadas como a de João Almeida e a de Filipe Lobo d’Ávila. A moção do eurodeputado Nuno Melo – intitulada Direita Autêntica – não tem associado, para já, um candidato, mas poderá ter se for a mais votada, à luz das regras do partido.

A discussão promete andar à volta do posicionamento do CDS. João Condeixa, membro da comissão política nacional, vai apresentar uma moção sobre as chamadas questões fracturantes como a adopção por casais homossexuais e as barrigas de aluguer por considerar que há “dúvidas” sobre elas no partido. Apesar de se assumir como mais liberal, João Condeixa diz que vai adoptar uma posição humanista. “Temos de ter respeito pela diferença, respeito pelo outro e ter liberdade individual”, afirmou ao PÚBLICO, assegurando que não será uma “moção fracturante”.

Entre as moções globais que estão a ser preparadas constam ainda os textos da corrente Tendência Esperança em Movimento (Abel Matos Santos é candidato à liderança), da distrital de Lisboa, da Juventude Popular, da Federação dos Trabalhadores Democratas-Cristãos, Carlos Meira (que anunciou também ser candidato) e de Miguel Mattos Chaves.