Hermínio Loureiro suspende mandatos na FPF e COP

Acusado de crimes como peculato e tráfico de influência na operação “Ajuste Secreto”, ex-autarca de Oliveira de Azeméis suspendeu os mandatos de vice-presidente nas duas estruturas desportivas.

Hermínio Loureiro suspendeu as suas funções de dirigente desportivo
Foto
Hermínio Loureiro suspendeu as suas funções de dirigente desportivo Nelson Garrido

Acusado de 141 crimes pelo Ministério Público, na última terça-feira, no âmbito da operação Ajuste Directo, Hermínio Loureiro suspendeu as funções de vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e do Comité Olímpico de Portugal (COP). O ex-autarca anunciou esta sexta-feira a sua decisão aos presidentes dos dois organismos desportivos, Fernando Gomes e José Manuel Constantino, respectivamente, que a aceitaram.

Em cartas enviadas às direcções da FPF e do COP, Hermínio Loureiro considerou que esta seria a atitude mais adequada para se dedicar exclusivamente a provar a sua inocência nos crimes de que foi acusado. O antigo secretário de Estado do Desporto deixará também o cargo que ocupava por inerência na Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

A decisão terá sido acertada há dois anos na sequência da detenção de Hermínio Loureiro para interrogatório, quando foi constituído arguido. Nessa altura, terá garantido a Fernando Gomes e a José Manuel Constantino que suspenderia as suas funções caso viesse a ser acusado no âmbito dos processos em que se viu envolvido.

Uma garantia que foi esta quarta-feira relembrada pelo presidente do COP e não deixou grandes alternativas ao ex-governante. “Na altura [em que Hermínio Loureiro foi constituído arguido] a comissão executiva do COP entendeu que não se justificava uma suspensão de mandato [tal como aconteceu na FPF], face aos elementos então conhecidos”, explicou ao PÚBLICO José Manuel Constantino.

“Agora que se confirmou uma acusação, aguardamos o contacto do dr. Hermínio Loureiro para oficializar o que foi anteriormente acertado”, prosseguiu o responsável pelo COP. Depois de alguns dias de reflexão, o antigo responsável pela CM de Oliveira de Azeméis, entre 2009 e 2016, acabou mesmo por solicitar a suspensão dos mandatos.

Hermínio Loureiro é acusado de crimes de corrupção, tráfico de influência, peculato e participação económica em negócio. A par deste processo, Hermínio Loureiro aguarda ainda pelo desfecho das investigações da Operação Éter, onde também foi constituído arguido, tal como outras dezenas de actuais e antigos autarcas. Em causa estão alegados crimes de corrupção e viciação de procedimentos de contratação pública por parte do Turismo do Porto e Norte de Portugal.