Noruega vai ter um museu semi-submerso para observação de baleias

No Norte da Noruega, o novo museu vai permitir a observação da passagem migratória de baleias a partir de um edifício camuflado pela natureza e semi-submerso. The Whale abre em 2022.

Arquitetura
Fotogaleria
Dorte Mandrup
,Baleias
Fotogaleria
Dorte Mandrup

Já há imagens de como será o novo museu norueguês dedicado à observação de baleias. Com inauguração prevista para 2022, The Whale situa-se em Andenes, no Norte da Noruega, e tem o formato de uma colina, “como se um gigante tivesse levantado uma fina camada da crosta terrestre e criado uma cavidade por baixo”, descreve Dorte Mandrup, directora criativa do estúdio responsável pelo impressionante projecto arquitectónico do observatório no Círculo Árctico.

O telhado será preenchido por pedra e musgo, permitindo uma melhor camuflagem do espaço, e funcionará como miradouro privilegiado numa zona de passagem migratório de baleias-anãs. Com cerca de 4500 metros quadrados, semi-submerso e com paredes de vidro, o edifício permite uma vista panorâmica para o oceano e restante paisagem natural da ilha. The Whale irá conter também um café, uma loja, escritórios e diversas exposições com artefactos relacionados com baleias. O intuito do espaço é “criar consciencialização e inspirar a conservação das baleias e seu ambiente”, lê-se num comunicado do museu. Esta obra arquitectónica ganhou um concurso internacional de design este mês de Novembro, disputado por mais 37 equipas.

Foto
Dorte Mandrup

Citada pela plataforma Dezeen, Dorte Mandrup sublinhou que este projecto vai ser parte de um esforço de “aumento do conhecimento sobre as baleias e a preservação da vida marinha”, além de poder vir a ser um “marco arquitectónico numa paisagem já de si extraordinária”, no “limite do oceano”. “Esta oportunidade acarreta uma enorme responsabilidade, algo que é extremamente motivante e inspirador”, disse.

Foto
Dorte Mandrup

Andenes é considerado um dos melhores locais do mundo para observação destes mamíferos marinhos e recebe, anualmente, a visita de 50 mil pessoas que procuram ver baleias, esperando-se com a inauguração do novo museu um aumento dos mesmos. A Noruega é o país com mais mortes de baleias registadas em todo o mundo em 2019, matando mais animais da espécie do que a Islândia e o Japão juntos — os únicos países que permitem a caça à baleia, além do país escandinavo.

A Noruega faz parte do grupo de três países (juntamente com o Japão e a Islândia) onde a caça à baleia-anã é permitida legalmente. Em Junho último, o Governo do Japão voltou a abrir a caça e venda de baleia após 31 anos de proibição e de ter abandonado a Comissão Baleeira Internacional