Do rio à Pateira, em Águeda há um trilho acessível a pessoas com mobilidade reduzida

Percurso circular, com quase 20 quilómetros de extensão, pode ser explorado por todos. Basta requisitar o devido equipamento e partir à descoberta da paisagem natural que acompanha o curso de água.

Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
,terrier branco de montanhas ocidentais
Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa
Fotogaleria
Anna Costa

Hugo Costa está habituado a superar desafios e a ultrapassar os condicionalismos da vida – prova disso são as medalhas que já conquistou em vários campeonatos de paracanoagem. Todavia, tem consciência que nem sempre o empenho e a dedicação são suficientes para vencer obstáculos. A deficiência física impõe-lhe algumas limitações, é um facto, mas há mais uma que acaba de ser vencida. O atleta aguedense, de 19 anos, já pode acompanhar os seus amigos num passeio ao longo do trilho do rio Águeda. O percurso de natureza, que acaba de ser inaugurado, é acessível a pessoas com mobilidade reduzida graças à disponibilização de um equipamento especial. Desenhado nas margens do rio, e passando por terrenos agrícolas e áreas de floresta, este trilho conduz os amantes da natureza até à Pateira, a maior lagoa natural da Península Ibérica.

“De outra forma, não conseguia fazer o percurso”, confessa Hugo Costa, sem perder o foco na condução do dispositivo de tracção eléctrica que vai acoplado à cadeira de rodas. “É muito fácil de manobrar”, garante, já depois de ter sido confrontado com uma ou outra irregularidade do terreno e com o colega Fernando Guimarães na retaguarda. A cada desnível, o companheiro de equipa de canoagem da ARCOR agarra a cadeira de rodas. “Apenas por cautela”, explica Fernando. Uma forma de prevenção da qual a câmara de Águeda também não abdica: juntamente com o equipamento Swiss-Trac, os serviços de turismo da autarquia disponibilizam também um técnico para fazer o percurso com os cidadãos de mobilidade reduzida.

PÚBLICO -
Foto

São 19,33 quilómetros de extensão, numa rota que tem início e fim junto ao Instituto da Vinha e do Vinho, no centro da cidade de Águeda – o percurso é circular. É o maior de todos os percursos de natureza do município – sendo certo que não tem de o fazer todo de uma só vez –, mas, para Edson Santos, vereador da câmara local, a sua grande mais-valia passa, precisamente, por ser “o primeiro totalmente acessível a pessoas com mobilidade reduzida”.

Uma bicicleta de dois lugares para invisuais

Ao equipamento que permite levar as cadeiras de rodas para um percurso de natureza, a autarquia juntou uma bicicleta de dois lugares com o objectivo de permitir que o trilho seja explorado por invisuais. “O guia, que vai à frente, vai explicando o percurso. Aquilo que vai aparecendo na paisagem e também no próprio trilho, ou seja, se tem subidas ou descidas”, explica o vereador.

PÚBLICO -
Foto
Anna Costa

No dia da inauguração do trilho, a bicicleta acabou por ser “tomada” por Paulo Lino, atleta da CERCIAG, que não esconde a sua paixão pelas duas rodas. Pratica vários desportos – nomeadamente judo, natação, futsal e canoagem –, mas é a pedalar que parece sentir-se melhor. No final do passeio inaugural do Trilho do Rio Águeda, este atleta com síndrome de Down dava nota positiva tanto à bicicleta como ao percurso rasgado junto à margem do rio, desde Águeda até ao parque de lazer de Óis da Ribeira. Após a visita à pateira, do lado de Óis da Ribeira, o trilho passa na Igreja de Santo Adrião, em campos agrícolas onde atravessa a Ponte e volta à cidade, mas no passeio que assinalou a estreia do percurso “apenas” foram explorados 10 dos seus 19 quilómetros de extensão.

No último fim-de-semana de Outubro, ajudadas pelas temperaturas agradáveis e também pela mudança da hora – que “atrasou” a hora de despertar –, cerca de 300 pessoas responderam à chamada. Havia um novo trilho para desbravar, a pedalar, a correr ou a caminhar – foram programadas largadas diferentes para cada um dos meios de locomoção –, ao longo do rio e até à pateira. Por entre terrenos agrícolas, grande parte deles ainda carregados de canas de milho secas, e zonas de floresta, passando, também, pelas localidades de Óis da Ribeira e Espinhel. A inexistência de grandes subidas (o trilho tem um desnível acumulado de 152 metros), ajudou a que a aventura se revelasse, essencialmente, um passeio – o único senão deste percurso passa pelo risco de cheias do rio Águeda, no Inverno.

“Gostei de tudo”, avaliava, no fim, Margarida Ferreira, acompanhada de Boby, o cão com o qual teve a oportunidade de partilhar grande parte do percurso. Já a sua colega Sofia Dinis apenas tinha conseguido fazer cerca de metade do trilho por causa das dores num pé. Ainda assim, mostrava-se agradada com “a natureza, o rio, os pássaros”, enumerava, com a ajuda de Clarinda Silva, técnica do Centro Social e Paroquial da Borralha que as acompanhava naquela aventura. “Elas gostam muito de caminhar e costumam participar nas actividades do Centro de Marcha de Águeda, ao domingo. Agrada-lhes este convívio e a vertente de actividade física”, acrescentou a funcionária da instituição aguedense. Naquela manhã de domingo, houve uma dose extra de convívio e de animação, com direito a lanche junto à Pateira, apreciando a beleza paisagística daquela lagoa natural.

Mais oito percursos de natureza a considerar

Além do Trilho do Rio Águeda, recentemente inaugurado, este município da região de Aveiro tem mais oito trilhos que convidam a partir à descoberta de um território com múltiplas paisagens: da serra à Pateira, das aldeias de granito e xisto às vilas e cidade.

PÚBLICO -
Foto

Um deles, o Trilho da Pateira ao Águeda, encontra-se com o mais novo de todos os percursos do município – tem 14 de extensão e liga as freguesias de Óis da Ribeira, Travassô e Recardães e Espinhel. Já o Trilho da Aldeia está totalmente integrado na aldeia de Macieira de Alcôba e estende-se por 2,5 quilómetros. Numa zona onde domina o granito, este trilho é um convite para que conheça uma aldeia histórica, muito ligada à cultura do milho.

É também na aldeia de Macieira de Alcôba que tem início o Trilho das Terras de Granito, com oito quilómetros de extensão e, por isso, com uma maior abrangência de paisagem para apreciar.

Referência, ainda, para o Trilho da Ponte de Ferro – de 7,4 quilómetros e a partir do qual é possível observar a linha do Vouga, o “rio Velho” e a Ponte de Ferro (que dá nome ao trilho) –, o Trilho dos Poços – com partida no Largo da Pateira de Fermentelos, junto à Estalagem, e 11 quilómetros de extensão – e o Trilho de Lourizela  – com quatro quilómetros e que permite passear nas margens do rio Alfusqueiro.

Completam o leque de propostas de caminhadas naquele território o Trilho do Vale Serrano – que se estende por 5,3 quilómetros, passando pelo rio Agadão e por uma pequena cascata, entre outros pontos de interesse – e pelo Trilho dos Arrozais – com 12,44 quilómetros e que atravessa uma paisagem de imensos arrozais em Estrada Real, cruzando-se com o Caminho Português de Santiago.