Apoiantes de Montenegro pressionam Rio com processo das quotas

Nem Luís Montenegro nem Miguel Pinto Luz vão estar no conselho nacional desta noite

Foto
daniel rocha

Os apoiantes de Luís Montenegro, candidato à liderança do PSD, vão pôr pressão na questão do sistema de pagamento de quotas no conselho nacional desta sexta-feira à noite em Bragança. Já a candidatura de Miguel Pinto Luz prefere que o partido discuta ideias, embora também mostre preocupação por vir a existir um universo eleitoral reduzido nas próximas eleições internas. Nenhum dos dois candidatos à liderança do PSD é conselheiro nacional.

Em causa está a polémica do novo sistema de actualização de quotas para os militantes, que tem sido exigente com o pedido de dados pessoais, e que foi criado em Julho passado pela direcção de Rui Rio para “acabar com as vigarices” de pagamentos em massa. Só que a afirmação do líder do PSD caiu mal entre os apoiantes de Luís Montenegro, até porque alguns estiveram ligados à candidatura de Rui Rio nas últimas directas.

“Se foi eleito com vigarices, isso é muito grave, tem de dizer quem as fez e o que é que fez para que fossem denunciadas, sob pena de ser co-responsável”, afirma Pedro Alves, líder da distrital de Viseu, director de campanha de Luís Montenegro. Este antigo apoiante de Rui Rio critica o momento para fazer a alteração no sistema de pagamento de quotas: “Se havia vigarices nas eleições internas porque é que só fez em Julho antes das legislativas e não fez logo no início do seu mandato?”.

Os apoiantes de Montenegro admitem propor esta sexta-feira à noite alterações ao regulamento eleitoral para “reforçar a transparência” do processo eleitoral, embora não revelem quais. O certo é que elementos ligados à candidatura estão a questionar a imparcialidade da direcção para gerir o processo eleitoral. Luís Menezes lembra que nas, directas de 2007, em que o seu pai, Luís Filipe Menezes, era candidato, o ex-líder Luís Marques Mendes criou uma comissão eleitoral com membros das duas candidaturas, uma decisão de “coragem e grandeza”.

Mais do que o problema do pagamento de quotas, Telmo Faria, da candidatura de Miguel Pinto Luz, aponta a “preocupação de discutir políticas” e de “perceber a performance do PSD nos últimos dois anos”. Mas Telmo Faria, que é conselheiro nacional, admite que há preocupação com a dimensão do universo eleitoral e que é preciso “não complicar” a participação dos militantes na vida do partido. Nas eleições para a concelhia de Coimbra do PSD, a candidatura de João Barbosa de Melo disponibilizou-se na passada terça-feira para “ajudar” os militantes com o pagamento de quotas na sede do partido. Uma iniciativa que Nuno Freitas, da candidatura de Pinto Luz, considerou um “abuso” e “contrária ao banho de ética de que fala Rui Rio”. 

No último congresso, Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD, apresentou uma proposta de revisão dos estatutos para permitir que os militantes sem quotas pagas pudessem votar. Mas a revisão estatutária foi atirada para o conselho nacional e acabou por morrer. Foi incluída numa comissão para a reforma do sistema político, presidida por Pedro Rodrigues, que ainda está em funções.