Game over para os All Blacks

Com uma exibição impressionante, a Inglaterra derrotou a Nova Zelândia e é a primeira selecção apurada para a final do Mundial 2019.

Foto
Reuters/ISSEI KATO

Doze anos depois, a Nova Zelândia voltou a perder um jogo num Mundial de râguebi e, 12 anos depois, os campeões do Mundo não serão os All Blacks. Com uma supremacia surpreendente, a Inglaterra derrotou neste sábado em Yokohama os neozelandeses, por 19-7, e regressa ao jogo decisivo da competição, precisamente 12 anos depois.

Mais do que o desfecho final – a Inglaterra era das poucas (se não mesmo a única) selecções que parecia ter argumentos para derrotar os All Blacks -, a primeira meia-final do Mundial 2019 ficará na história pela exibição impressionante dos ingleses, que cometeram a proeza de dominar por completo do início ao fim os todo-poderosos tricampeões mundiais.

Depois de nos quartos-de-final terem feito um jogo de paciência, oferecendo o domínio territorial à Austrália para contra-atacar de forma letal, contra a Nova Zelândia Eddie Jones mudou a estratégia. Contra os habitualmente avassaladores All Blacks, o técnico dos ingleses optou por utilizar as armas do adversário, encostando-o às cordas desde o primeiro assalto.

Para quem tinha dúvidas que a Inglaterra podia derrotar a Nova Zelândia, a resposta demorou 97 segundos: sem que os neozelandeses praticamente tocassem na bola, Manu Tuilagi já tinha marcado o primeiro ensaio do jogo.

Os mais cépticos terão pensado que seria apenas um fogacho britânico, mas a resposta neozelandesa não surgiu. Com total supremacia, a Inglaterra dominou todos os aspectos do jogo e, aos 25’, voltou a chegar ao ensaio, mas a jogada foi invalidade por obstrução de um jogador inglês.

Porém, ainda antes de chegar ao intervalo, uma penalidade de George Ford colocava o marcador em 10-0, números que reflectiam melhor a diferença entre os dois “XV” nos primeiros 40 minutos.

Para a segunda parte, Steve Hansen deixou nos balneários Scott Barrett, uma das surpresas na equipa inicial dos All Blacks, colocando na terceira-linha Sam Cane. Os efeitos, no entanto, foram nulos.

Sem baixar o ritmo, a Inglaterra continuou a ter a posse de bola e o domínio territorial, e, ao fim de apenas cinco minutos, voltou a marcar outro ensaio que o árbitro galês Nigel Owens, de forma acertada, voltou a não validar. Todavia, pouco depois, Ford somou mais três pontos para a Inglaterra: 13-0.

Presos num colete-de-forças, os All Blacks pareciam sem soluções para contrariar o jogo quase perfeito do “XV da Rosa”, mas na primeira vez que estiveram a cinco metros da linha de ensaio, marcaram. Aos 57’, num dos poucos erros ingleses, o talonador Jamie George colocou a bola demasiado longa no alinhamento e Ardie Savea aproveitou a oferta para fazer um ensaio fácil.

A apenas seis pontos da vitória (13-7), a Nova Zelândia parecia ter o balão de oxigénio que precisava para reentrar na discussão do apuramento para a final. Mas a Inglaterra não tremeu e instalou-se no meio-campo adversário, conquistando nos dez minutos seguintes mais duas penalidades, que Ford aproveitou para colocar o resultado final num justo 19-7.

A Inglaterra, que não marcava presença numa final desde que perdeu no jogo decisivo do Campeonato do Mundo de 2007, fica agora à espera do adversário que será conhecido neste domingo: a partir das 9h00, País de Gales e África do Sul vão disputar o último lugar na final de 2 e Novembro.