Centro de Produção da RTP Porto celebra 60 anos

Unidade produz actualmente grande parte dos conteúdos de informação e entretenimento para todos os canais RTP, assumindo-se como um importante elo de ligação entre a região Norte e o resto do país.

Fotogaleria
Emissão de Outubro de 1959 DR
Fotogaleria
Edifício principal, em 1959 DR
Fotogaleria
Artur Moura, primeiro operador de câmara da RTP Porto, em 1960 DR
Fotogaleria
Programa Conversas sobre teatro, 1960 DR
Fotogaleria
Judite de Sousa, na década de 80 DR
Fotogaleria
José Alberto Carvalho e Fátima Torres, na década de 80 DR
Fotogaleria
Programa Às Dez, 1990 DR
Fotogaleria
Programa Bom Dia, 1992 DR
Fotogaleria
Manuel Luís Goucha e Anabela Mota Ribeiro na Praça da Alegria, em 1995 DR
Fotogaleria
Estúdio da redacção, 2003 DR
Fotogaleria
Estúdio da Praça da Alegria, 2019 DR
Televisão
Fotogaleria
Régie do Jornal da Tarde, 2019 DR

Há 60 anos era inaugurado aquele que hoje se apresenta como um dos maiores centros de produção de conteúdos do país, o Centro de Produção da RTP Porto. Com sede em Vila Nova de Gaia, tem em mãos grande parte da produção de informação e de entretenimento para todos os serviços de programas de televisão e rádio do grupo RTP, no qual se incluem RTP1, 2, 3, África e Internacional e Antena 1, 2 e 3.

“Fazer 60 anos e lembrar o nosso passado é não só um acto de justiça, mas uma forma de mostrar a relevância estratégica de um centro de produção audiovisual descentralizado”, disse ao PÚBLICO Isabel Correia, directora do Centro de Produção da RTP Porto. O centro assume-se como um importante elo de ligação da região Norte com o resto do país, já que produz “conteúdos que têm visibilidade nacional”. Dada a sua descentralização geográfica, esta produção “permite que projectos desta zona possam ser divulgados nos nossos programas a nível nacional”.

Há anos que o Centro de Produção da RTP Porto vem criando plataformas, como a NTV (espaço agora ocupado pela RTP3), que em muito contribuíram para a visibilidade da “opinião de comentadores, jornalistas, políticos e outras vozes na opinião nacional”. No mesmo espaço são também produzidos programas do daytime, com 600 horas de emissão por ano, como a Praça da Alegria. Na área da informação, o Jornal da Tarde é diariamente transmitido a partir do Centro de Produção da RTP Porto.

Para assinalar o aniversário, quarta-feira será dia de comemorações: as portas do Centro de Produção irão estar abertas ao público, para quem quiser conhecer as instalações; haverá a apresentação de um livro, coordenado por Manuel Pinto, sobre estes 60 anos do centro de produção; e ainda uma exposição baseada no livro, que poderá ser vista durante um ano.

A origem do livro surge de uma ideia que Isabel Correia teve em 2017. Queria realizar um projecto que “integrasse quem esteve na génese, como Artur Moura, o primeiro operador de câmara”. Assim nasceu esta obra que foi uma parceria com o Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho e conta com sete capítulos. Um deles, mais generalista, é escrito por Manuel Pinto. Os outros seis são dedicados a cada uma das seis décadas da vida da RTP Porto, tendo como autores, por exemplo, Joaquim Fidalgo ou Felisbela Lopes.

PÚBLICO -
Foto
Série "No Tempo dos Afonsinhos", 1993 DR

Das comemorações também farão parte homenagens como a que será feita ao realizador Adriano Nazareth, com a atribuição do seu nome ao primeiro estúdio da RTP Porto, que ainda hoje é utilizado.

A descentralização da RTP, considera Isabel Correia, é “uma conquista de todos e para todos”, e tem sido “uma luta diária, conseguida com uma equipa consistente à qual se exige muita resiliência e determinação”. Texto editado por Inês Nadais