Fotogaleria

Entre "humor e horror": as melhores fotografias de vida selvagem do ano

Andam dois ratinhos a dar muito que falar, por isso eis uma boa oportunidade para recordar os vencedores do Wildlife Photographer of the Year, o maior concurso do mundo de fotografia da vida selvagem. O prémio maior foi para O Momento vivido entre uma raposa e uma marmota, tão extraordinário na sua paragem que fica gelado entre o "humor e horror".

Vencedor: "The Moment" - Yongqing Bao, China. No Planalto do Tibete (Qinghai), uma marmota com fome depois da hibernação busca comida. Uma raposa também. Um momento no tempo na luta pela sobrevivência. Yongqing Bao/Wildlife Photographer of the Year
Fotogaleria
Vencedor: "The Moment" - Yongqing Bao, China. No Planalto do Tibete (Qinghai), uma marmota com fome depois da hibernação busca comida. Uma raposa também. Um momento no tempo na luta pela sobrevivência. Yongqing Bao/Wildlife Photographer of the Year

Os vencedores do Wildlife Photographer of the Year foram revelados esta terça-feira no Museu de História Natural de Londres, que organiza a competição aberta a todos os fotógrafos de vida selvagem e onde agora ficará patente a exposição com os melhores do ano.

O grande vencedor de 2019 é Yongqing Bao (China) graças à sua extraordinária imagem intitulada The Moment (o momento), que "enquadra o impasse entre uma raposa tibetana e uma marmota, parecendo gelados numa disputa de vida-ou-morte", lê-se no comunicado da organização. "Um poderoso retrato entre o humor e o horror, que capta o drama e intensidade da natureza". "Fotograficamente, é pura e simplesmente o momento perfeito", comentou Roz Kidman Cox, jurada da competição há quase quatro décadas e ex-editora da Wildlife Magazine (depois BBC Magazine). "A intensidade expressiva das posturas deixa-nos petrificados", diz.

"É o derradeiro desafio da Natureza", comenta por seu lado sir Michael Dixon, director do Museu de História Natural britânico. "É a batalha pela sobrevivência", resume. Sir Dixon sublinha ainda que o local em que a imagem foi captada, o Planalto do Tibete, está sob ameaça devido ao "aumento dramático das temperaturas, como aquele que se vê no Árctico": "numa altura em que habitats precisosos estão a enfrentar pressões climáticas cada vez maiores, ver estes fugazes, mas fascinantes momentos lembra-nos aquilo que temos de proteger".

Além do vencedor-mor do ano, o Wildlife Photographer of the Year 2019, que já tinha revelado outras 15 das suas melhores imagens em Setembro, premiou várias temáticas (são 19 categorias) e jovens fotógrafos - o prémio de jovem fotógrafo do ano foi para Cruz Erdmann de 14 anos, que retratou uma "lula iridescente" durante um mergulho nocturno na Indonésia.

Para a edição deste ano, resume a organização do concurso, que existe desde 1965, foram recebidas mais de 48 mil fotografias, oriundas de cem países. A exposição no Museu de História Natural de Londres incluirá 98 fotografias, exibidas entre 18 de Outubro e 31 de Maio, devendo depois seguir em tour nacional e internacional.

Quem quiser pôr à prova a sua arte fotográfica poderá inscrever-se para a edição de 2020 a partir de 21 de Outubro e até 12 de Dezembro.

Wildlife Photographer of the Year: a natureza em 15 fotografias vitais


Wildlife Photographer of the Year:
a natureza em mais 15 fotografias vitais

 

Jovem fotógrafo do ano (e vencedor 11-14 anos): "Night Glow" - Cruz Erdmann, Nova Zelândia. De 14 anos, Erdmann captou esta lula de recife num mergulho nocturno no estreito de Lembeh, Sulawesi Norte, Indonésia, durante uma comunicação entre duas lulas, provavelmente um "namoro". Na foto ficou o macho; a fêmea fugiu.
Jovem fotógrafo do ano (e vencedor 11-14 anos): "Night Glow" - Cruz Erdmann, Nova Zelândia. De 14 anos, Erdmann captou esta lula de recife num mergulho nocturno no estreito de Lembeh, Sulawesi Norte, Indonésia, durante uma comunicação entre duas lulas, provavelmente um "namoro". Na foto ficou o macho; a fêmea fugiu. Cruz Erdmann/Wildlife Photographer of the Year
Comportamento: Pássaros. Vencedor: "Land of the Eagle" - Audun Rikardsen, Noruega. Demorou três anos esta foto, foi o tempo da águia se habituar gradualmente à presença do fotógrafo e da câmara: ele criou um refúgio para si, colocou um tripé com uma câmara no ramo de velha árvore e esperou.
Comportamento: Pássaros. Vencedor: "Land of the Eagle" - Audun Rikardsen, Noruega. Demorou três anos esta foto, foi o tempo da águia se habituar gradualmente à presença do fotógrafo e da câmara: ele criou um refúgio para si, colocou um tripé com uma câmara no ramo de velha árvore e esperou. Audun Rikardsen/Wildlife Photographer of the Year
Fotojornalismo de vida selvagem (imagem única). Vencedor: "Another Barred Migrant" - Alejandro Prieto, México. O céu do Arizona, um jaguar, uma secção da cerca EUA-México. A imagem quer chamar a atenção para o impacto que a "wall" defendida por Donald Trump também terá na vida selvagem e nos seus movimentos naturais.
Fotojornalismo de vida selvagem (imagem única). Vencedor: "Another Barred Migrant" - Alejandro Prieto, México. O céu do Arizona, um jaguar, uma secção da cerca EUA-México. A imagem quer chamar a atenção para o impacto que a "wall" defendida por Donald Trump também terá na vida selvagem e nos seus movimentos naturais. Alejandro Prieto/Wildlife Photographer of the Year
Comportamentos: mamíferos. Co-vencedor: "The Equal Match" - Ingo Arndt, Alemanha. Puma contra guanaco em Torres del Paine, na Patagónica chilena.
Comportamentos: mamíferos. Co-vencedor: "The Equal Match" - Ingo Arndt, Alemanha. Puma contra guanaco em Torres del Paine, na Patagónica chilena. Ingo Arndt/Wildlife Photographer of the Year
Vencedor (15-17 anos): "Early Riser" - Riccardo Marchgiani, Itália. Ricardo estava num safari fotográfico com o pai quando avistou esta mãe babuíno-gelada com o seu filho de uma semana no Parque Nacional do Simien, Etiópia.
Vencedor (15-17 anos): "Early Riser" - Riccardo Marchgiani, Itália. Ricardo estava num safari fotográfico com o pai quando avistou esta mãe babuíno-gelada com o seu filho de uma semana no Parque Nacional do Simien, Etiópia. Riccardo Marchegiani/Wildlife Photographer of the Year
Fotojornalismo - História. Vencedor: "Show Time" - Jasper Doest, Holanda. Uma das fotos da série que acompanha um macaco japonês que, durante 17 anos, actuou em palcos. Reformou-se em 2018.
Fotojornalismo - História. Vencedor: "Show Time" - Jasper Doest, Holanda. Uma das fotos da série que acompanha um macaco japonês que, durante 17 anos, actuou em palcos. Reformou-se em 2018. Jasper Doest - Wildlife Photographer of the Year
Prémio Rising Star (Portfólio). Vencedor: Jérémie Villet, França. Parte de uma série, dois Carneiros-de-dall no Yukon do Canadá, numa temporada "brutalmente gelada e ventosa".
Prémio Rising Star (Portfólio). Vencedor: Jérémie Villet, França. Parte de uma série, dois Carneiros-de-dall no Yukon do Canadá, numa temporada "brutalmente gelada e ventosa". Jérémie Villet/Wildlife Photographer of the Year
Preto e branco. Vencedor: "Snow Exposure" - Max Waugh, EUA. Um solitário bisonte americano durante uma tempestade de neve no parque de Yellowstone.
Preto e branco. Vencedor: "Snow Exposure" - Max Waugh, EUA. Um solitário bisonte americano durante uma tempestade de neve no parque de Yellowstone. Max Waugh/Wildlife Photographer of the Year
Prémio Portfólio. Vencedor: "The Huddle" - Stefan Christmann, Alemanha.  Tente contá-los: são mais de 5000 pinguis-imperador na baía de Atka, na Antárctida, todos juntos contra o frio e o vento gélido.
Prémio Portfólio. Vencedor: "The Huddle" - Stefan Christmann, Alemanha. Tente contá-los: são mais de 5000 pinguis-imperador na baía de Atka, na Antárctida, todos juntos contra o frio e o vento gélido. Stefan Christmann/Wildlife Photographer of the Year
Ambientes da Terra. Vencedor: Luis Vilariño Lopez, Espanha. Durante a erupção do vulcão Kîlauea na grande Havai, em Maio de 2018, os rios de lava correram para o Pacífico. A imagem, em voo perigoso por nuvens ácidas, capta a colisão entre lava e água e o nascimento de nova terra.
Ambientes da Terra. Vencedor: Luis Vilariño Lopez, Espanha. Durante a erupção do vulcão Kîlauea na grande Havai, em Maio de 2018, os rios de lava correram para o Pacífico. A imagem, em voo perigoso por nuvens ácidas, capta a colisão entre lava e água e o nascimento de nova terra. Luis Vilariño/Wildlife Photographer of the Year
Subaquática. Vencedor: "The Garden of Eels" - David Doubilet, EUA. Uma imensa colónia de enguias-de-jardim (era quase do tamanho de um campo de futebol), no triângulo do coral nas Filipinas.
Subaquática. Vencedor: "The Garden of Eels" - David Doubilet, EUA. Uma imensa colónia de enguias-de-jardim (era quase do tamanho de um campo de futebol), no triângulo do coral nas Filipinas. David Doubilet/Wildlife Photographer of the Year
Comportamento - Anfíbios e reptéis. Vencedor: "Pondworld" - Manuel Plaickner, Itália. Uma lagoa onde as rãs reinam  no Tirol do Sul; à superfície, milhares de ovos de rãs.
Comportamento - Anfíbios e reptéis. Vencedor: "Pondworld" - Manuel Plaickner, Itália. Uma lagoa onde as rãs reinam no Tirol do Sul; à superfície, milhares de ovos de rãs. Manuel Plaickner/Wildlife Photographer of the Year
Plantas e fugos. Vencedor: "Tapestry of Life" - Zorica Kovacevic, Sérvia/EUA. Um mundo nos ramos de um velho cipreste de Monterey, "um dossel sobrenatural" sobre Pinnacle Point, reserva natural de Point Lobos, Califórnia, EUA.
Plantas e fugos. Vencedor: "Tapestry of Life" - Zorica Kovacevic, Sérvia/EUA. Um mundo nos ramos de um velho cipreste de Monterey, "um dossel sobrenatural" sobre Pinnacle Point, reserva natural de Point Lobos, Califórnia, EUA. Zorica Kovacevic/Wildlife Photographer of the Year
Comportamentos - Invertebrados. Vencedor: "The Architectural Army" - Daniel Kronauer, EUA. Uma colónia de formigas legionárias que parece "uma catedral viva com três naves", em La Selva, Costa Rica.
Comportamentos - Invertebrados. Vencedor: "The Architectural Army" - Daniel Kronauer, EUA. Uma colónia de formigas legionárias que parece "uma catedral viva com três naves", em La Selva, Costa Rica. Daniel Kronauer/Wildlife Photographer of the Year
Animais no seu ambiente. Vencedor: "Snow-plateau Nomads" - Shangzhen Fan, China. Uma pequena manada de chirus (antílopes-tibetanos) deixa o seu rasto na neve do deserto de Kumukuli, reserva natural de Altun Shan.
Animais no seu ambiente. Vencedor: "Snow-plateau Nomads" - Shangzhen Fan, China. Uma pequena manada de chirus (antílopes-tibetanos) deixa o seu rasto na neve do deserto de Kumukuli, reserva natural de Altun Shan. Shangzhen Fan/Wildlife Photographer of the Year
Retratos de animais (vencedor): "Face of Deception" - Ripan Biswas, Índia. Estava num formigueiro, parecia uma formiga, mas este bichinho de 5mm é uma aranha-caranguejo à caça de formiguinhas... Olhos nos olhos.
Retratos de animais (vencedor): "Face of Deception" - Ripan Biswas, Índia. Estava num formigueiro, parecia uma formiga, mas este bichinho de 5mm é uma aranha-caranguejo à caça de formiguinhas... Olhos nos olhos. Ripan Biswas/Wildlife Photographer of the Year
Vida selvagem urbana. Vencedor: "The Rat Pack" - Charlie Hamilton James, Reino Unido. Entre o ninho e a busca de comida, eis outros habitantes da Pearl Street, Lower Manhattan, Nova Iorque, EUA.
Vida selvagem urbana. Vencedor: "The Rat Pack" - Charlie Hamilton James, Reino Unido. Entre o ninho e a busca de comida, eis outros habitantes da Pearl Street, Lower Manhattan, Nova Iorque, EUA. Charlie Hamilton James/Wildlife Photographer of the Year
Jovem fotógrafo de dez anos ou menos. Vencedor: "Humming Surprise" - Thomas Easterbrook, Reino Unido. Uma borboleta-esfinge-colibri bebe o seu néctar de uma espécie de sálvia num jardim de França.
Jovem fotógrafo de dez anos ou menos. Vencedor: "Humming Surprise" - Thomas Easterbrook, Reino Unido. Uma borboleta-esfinge-colibri bebe o seu néctar de uma espécie de sálvia num jardim de França. Thomas Easterbrook/ Wildlife Photographer of the Year
Sugerir correcção