Auditoria ao colapso do Citius levou carimbo de “confidencial” para evitar divulgação

Classificação foi feita pelo inspector-geral das Finanças, em Novembro do ano passado, com a justificação de que o conhecimento das “vulnerabilidades do sistema” podia “prejudicar” o funcionamento da Justiça.

Vítor Braz decidiu classificar auditoria como confidencial em Novembro do ano passado.
Foto
Vítor Braz decidiu classificar auditoria como confidencial em Novembro do ano passado. Nuno Ferreira Santos

Após uma decisão judicial que rejeitou os argumentos invocados pela Inspecção-Geral das Finanças para recusar ao PÚBLICO o acesso à auditoria que analisou o colapso do sistema informático Citius, que deixou os tribunais praticamente paralisados durante 44 dias em 2014, o inspector-geral das Finanças decidiu classificar de “confidenciais” os documentos que fazem parte desse processo. A Inspecção-Geral de Finanças (IGF) ficou responsável por fazer uma auditoria ao processo de adaptação do Citius à nova organização dos tribunais, que arrancou a 1 de Setembro de 2014, mas os trabalhos só começaram em meados de 2015 e até hoje não foi conhecida qualquer conclusão.