“Sexo, drogas, relações pessoais”: os desenhos de Don Castro não têm tabus

Fotogaleria

A conta de Instagram de Don Castro, o alter-ego de By Castro, está por um triz. Se mais alguma publicação for bloqueada, a página desaparece. A culpa é do conteúdo partilhado — “temas tabu” e imagens explícitas, “sexo, drogas, relações pessoais”. João Castro ilustra e partilha tudo aquilo em que se revê (e acredita que as outras pessoas também). Retrata problemas comuns, situações que acontecem a todos (seja procurar ajuda no Pornhub ou declarar amor ao Guronsan) e usa frases feitas para mostrar como tudo pode ter dois sentidos — seja uma sopa ou uma alma. Sempre sem pudores. 

Castro começou a ilustrar por falta de tempo. Estudou Multimédia e fazia edição de imagem, até que começou a trabalhar numa loja no Porto e deixou de ter tempo “para fazer coisas em condições”, conta ao telefone com o P3. “A edição de imagem requer três ou quatro horas de investimento pessoal. Como eu tinha o background de desenho, porque estudei artes, experimentei a ilustração.” E usou tudo o que tinha a seu favor: “Sempre escrevi muito e gosto de comédia. Pensei em questões como a sexualidade da mulher — muitas pessoas até pensam que sou uma gaja — para pegar situações estereotipadas e muito generalizadas.” A partir daí, desconstrói os tabus. 

A fórmula resulta. Os 20 mil seguidores que soma no Instagram apareceram quase de um dia para o outro. “Tinha 700 seguidores. Até que, na Queima das Fitas do Porto houve um caso de uma suposta violação e fiz uma ilustração sobre isso”, conta. “Essa ilustração (imagem 9 da fotogaleria) trouxe-me muita gente. Foi muito rápido.” O crescimento levou a novos voos: está a criar um site para expor e vender os trabalhos da marca By Castro.

O traço é inconfundível, “muito arcaico” e rude. Mas “o estilo vem da necessidade”, explica. Porque na loja onde trabalha (e onde faz a maior parte das ilustrações) não tem mesa digital, por isso desenha com o rato do computador. O traço, as cores, os sarrabiscos e os temas fazem com que seja possível reconhecer os trabalhos de Castro facilmente — e assistir a uma espécie de comédia dramática. As últimas publicações mostram uma série de azulejos: é uma forma de contornar a política do Instagram e manter a conta activa — não há imagens explícitas, só palavras. Que, convenhamos, podem ser tão, ou mais, reveladoras.