As concertinas devolveram a Barrenta ao mapa

Nada ligava a aldeia do concelho de Porto de Mós à concertina até aqui chegar um autocarro com 40 tocadores. Dezoito anos depois, há uma escola, uma banda e uma festa com meio milhar de músicos e 10 mil visitantes. De uma aldeia esquecida na serra de Aire, a concertina ecoa agora pelo país.

Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Trikiti
Fotogaleria
Sergio Azenha
Fotogaleria
Sergio Azenha
Fotogaleria
Sergio Azenha

Pouco passa das 21h de um dia de semana. A força dos candeeiros de rua mal chega para vencer a penumbra da serra. Ouvem-se conversas e talheres para lá das portas, abertas para o calor de Setembro. À medida que nos aproximamos do Centro Cultural da Barrenta, no largo principal, o burburinho aumenta. O palco das festas da terra, realizadas em meados de Agosto, ainda aqui está.