Recusa de fármacos inovadores no cancro. Ordem quer responsabilizar peritos

Os doentes a quem for recusado o acesso a medicamentos inovadores que provaram ser eficazes em fases precoces dos cancros poderão, em teoria, avançar com processos contra os peritos ou contra a autoridade do medicamento

Foto
Em causa estarão vários medicamentos para o tratamento de cancros do pulmão, próstata, mama e melanoma Fabio Augusto

O Conselho Nacional da Ordem dos Médicos (OM) defende que se deve “responsabilizar directamente, com casos concretos”, os peritos que “por decisões que sejam erradas” impeçam os médicos de “preservar a vida de doentes com cancro”. E apela aos médicos que registem as recusas de fármacos “potencialmente inovadores” nos processos clínicos, validando esta proposta avançada pelo colégio da especialidade de Oncologia da OM - que em Julho enviou uma carta ao bastonário a denunciar o problema.