Lisboa

Novo director das Galerias Municipais de Lisboa quer eliminar “ilhas de pensamento”

O alemão Tobi Maier apresentou a sua primeira temporada. São 17 exposições que procuram contornar a especialização dos cinco espaços municipais dedicados à arte contemporânea.

Foto
O novo director das Galerias Municipais de Lisboa quer uma programação que reflicta os temas do pós-colonialismo e do género, do urbanismo e da tecnologia RUI GAUDÊNCIO

Durante os três primeiros meses de 2020, a conhecida dupla brasileira Bárbara Wagner e Benjamin de Burca vai mostrar a sua obra na Galeria da Boavista, em Lisboa. Os artistas, que este ano representam o Brasil na Bienal de Arte de Veneza com uma série de fotografias e filmes sobre a produção musical nas periferias brasileiras, já mostraram o seu trabalho em Portugal, nomeadamente no Porto, este Verão, com Faz que Vai, “mas esta vai ser a primeira exposição individual da dupla”, afirma o novo director das Galerias Municipais de Lisboa, o alemão Tobi Maier, que apresentou esta terça-feira a programação de 2019/2020 para os cinco espaços dedicados à arte contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa