Sem técnicos de saúde, empresas de rastreios auditivos proibidas de actuar nos Açores

Depois de várias queixas de clientes de duas empresas que vendem aparelhos e próteses auditivas, a Direcção da Saúde dos Açores percebeu que não tinham profissionais de saúde a fazer os rastreios e impediu-as de actuar na região. Também há reclamações contra estas empresas no continente.

Foto
daniel rocha

Duas empresas que fazem rastreios auditivos e que vendem aparelhos e próteses por milhares de euros foram inibidas de actuar na Região Autónoma dos Açores. A proibição foi determinada na sequência de várias denúncias de clientes e depois de as autoridades, ao avançarem para uma fiscalização no terreno, perceberem que as empresas não tinham profissionais de saúde nas unidades móveis de rastreio.