Cofina negoceia em “exclusivo” possível compra da TVI e CMVM suspendeu acções

Paulo Fernandes terá assinado um memorando de entendimento para ter a exclusividade na negociação com os espanhóis da Prisa sobre o futuro da Media Capital, informação que motivou a suspensão da negociação em bolsa.

Televisão Independente
Foto
Nelson Garrido

O grupo Cofina, que inclui o Correio da Manhã e a CMTV, está a negociar a compra da Media Capital aos espanhóis da Prisa. Há mesmo um memorando de entendimento assinado entre o presidente, Paulo Fernandes, e a Promotora de Informaciones - Prisa, que obriga o grupo espanhol a negociar em “regime de exclusividade” com a Cofina.

São negociações “relativas à potencial aquisição da participação da Prisa na Media Capital”, especificou a Cofina numa informação enviada ao início da noite desta quarta-feira à CMVM - Comissão do Mercado de Valores Mobiliários depois de o regulador ter suspendido, durante a tarde, a negociação das acções das duas empresas portuguesas.

A decisão de suspender a negociação das duas empresas aconteceu cerca de quinze minutos antes do fecho da sessão (17h), com a justificação de que se aguardava a “divulgação de informação relevante ao mercado”. O regulador demorou duas horas e meia a reagir depois de o Expresso ter avançado com a existência do memorando de entendimento, informação que foi depois confirmada pelo Negócios, que pertence ao grupo Cofina - que detém ainda, entre outros, a newsmagazine Sábado, o jornal desportivo Record, as revistas Máxima Flash! e um terço da distribuidora VASP.

A primeira reacção do mercado accionista à notícia da existência de negociações levou a uma subida da cotação da Cofina, passando dos 0,421 euros para os 0,445 euros quando a negociação foi suspensa, o que significa uma valorização de 5,7%. Já a Media Capital encerrou exactamente como abriu, em 1,89 euros, sem qualquer oscilação.

Questionada pelo PÚBLICO, a comunicação da Prisa em Madrid disse não ter quaisquer comentários a fazer sobre o assunto e a Media Capital também se remete ao silêncio.

Paulo Fernandes é um dos accionistas de referência da Cofina, com cerca de 14% do capital e dos direitos de voto através da sua Actium Capital.

Se chegarem a um acordo, o negócio terá que passar pelo crivo dos reguladores – Anacom, ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social e Autoridade da Concorrência. A maior dificuldade estará no mercado da televisão (ainda que o facto de a TVI ter caído para segundo lugar nas audiências até possa jogar a favor do negócio), uma vez que a CMTV é líder entre os canais de cabo (onde é concorrente da TVI24), e tem um carácter generalista (como a TVI). A que se soma o facto de a TVI ter diversos canais nas plataformas pagas, como o Reality ou o Ficção. A Media Capital tem também várias rádios (Comercial, m80, Smooth e Cidade), produção audiovisual (Plural), forte presença no digital (iol, Maisfutebol, Planeo, Selfie).

Os rumores sobre o interesse da Cofina na Media Capital têm circulado no mercado desde o início do Outono do ano passado, poucos meses depois do fim do negócio com a Altice, que deixou expirar o prazo previsto no contrato de compra e venda para a conclusão do negócio sem tomar qualquer decisão. Para isso muito contribuiu a imposição de remédios pela Anacom, que a Altice sempre se recusou a adoptar. Já no caso da Cofina, foram avançados os mais diversos cenários, desde uma participação no capital até à compra integral, passando por uma fusão.

Porém, durante estes últimos meses, a Media Capital sempre desmentiu esses rumores e a administradora-delegada da Prisa até há um mês, Rosa Cullell, dizia na altura ao PÚBLICO que não tinha havido mais nenhuma “proposta de venda clara e formal” além da Altice. E que esta acontecera apenas porque a Prisa precisava de dinheiro, mas que neste início de Verão o grupo até “está numa situação muito melhor” depois de terem feito uma reestruturação e aumentos de capital.

A Cofina já foi accionista da Media Capital entre 2002 e 2003, quando Paulo Fernandes comprou ao Instituto do Cinema, Audiovisual e Multimédia (ICAM, o actual ICA) os 4,64% da dona da TVI que tinham sido dados ao instituto por Miguel Paes do Amaral, então dono do canal de Queluz, para pagar uma dívida da taxa de emissão de publicidade. Um ano depois da compra, Paulo Fernandes vendeu a quota de volta à Media Capital por 7,4 milhões de euros alegando que se tratara apenas de um “investimento financeiro”, uma vez que pagara ao ICAM, pela participação no grupo Queluz, 4,5 milhões de euros – boa parte do pagamento à Cofina foi feito através de permuta publicitária. Com este negócio, a avaliação da TVI ficou entre os 150 a 175 milhões de euros.

No entanto, Paulo Fernandes também admitiu na altura que pretendia “conhecer os meandros do negócio televisivo e preparar-se para a possibilidade de haver uma privatização de um dos canais estatais”, já que na altura se falava nesse cenário para a RTP2. Acabou por aplicar esse know how na criação da CMTV.