Sonic Blast e Neopop: durante uma semana, Viana do Castelo vive entre festivais

Esta semana começam os festivais Sonic Blast e Neopop. Apesar da diferença de estilos, ambos acontecem ao mesmo tempo e no mesmo distrito. O PÚBLICO falou com os organizadores.

Fotogaleria
O Palco Piscina é uma das maiores atracções do Sonic Blast Paulo Pimenta
Os Kraftwerk foram os grandes cabeças de cartaz do festival no ano de 2017
Fotogaleria
Os Kraftwerk foram os grandes cabeças de cartaz do festival no ano de 2017 Paulo Pimenta

A centralização da cultura é tema recorrente no panorama nacional no que toca à distribuição de eventos. No Verão, Lisboa e Porto acolhem os maiores festivais mas um discreto distrito do Alto Minho, Viana do Castelo, tem vindo a afirmar-se na “competição”. A programação é bastante mais alternativa e geograficamente periférica mas é onde acontecem os icónicos Paredes de Coura e Vilar de Mouros ou os festivais de nicho Sonic Blast e Neopop.

O Sonic Blast, em Moledo, transforma esta freguesia do concelho de Caminha na Meca dos fãs de stoner rock — subgénero do rock entre o hard rock e o heavy metal com influências psicadélicas. “[O Sonic Blast] começou em 2010 com a intenção de trazer bandas do stoner, heavy, psych, doom, krautrock até Portugal”, explica ao PÚBLICO Ricardo Rios, criador e organizador do festival que decorre entre dois palcos, o Palco Piscina, no Centro Cultural de Moledo, e o Palco Principal, no parque das merendas mesmo em frente.

A atenção este Verão vai para bandas como Earthless, Graveyard, Orange Goblin, Stoned Jesus, Eyehategod e OM mas a maior novidade é o festival ter acrescentado mais um dia à sua programação, passando de dois para três dias — de 8 a 10 de Agosto. “Só agora é que conseguimos reunir as condições para que ele crescesse nesse sentido. O nosso festival não tem apoios financeiros exteriores, nem patrocinadores. Tivemos que crescer degrau a degrau. Tivemos que ter muito juízo”, confessa Ricardo numa conversa onde surge à baila o malogrado Reverence Valada, festival com um alinhamento semelhante e que optou desde a sua primeira edição por apostar em cartazes megalómanos (ao fim de quatro edições, três em Valada e uma última em Santarém, com uma nova organização, teve que acabar). A nona edição do Sonic Blast prova que com calma se vai longe.

O mesmo pode ser dito dos seus vizinhos Neopop, no centro da capital do distrito, Viana do Castelo. Gustavo Pereira, criador e organizador do festival que decorre de 7 a 10 de Agosto, diz que “o objectivo é reunir os melhores artistas de música electrónica num evento ao ar livre com um conceito e visão que não seja o do clubbing”.

O Neopop nasceu em 2006 com o nome Anti-pop, e apenas passou a adoptar a designação pela qual agora é conhecido a partir de 2009. Gustavo relembra que o seu percurso, tal como o do Sonic Blast, foi feito com calma e de forma sustentada. “Começamos com apenas um palco, agora temos dois, Neo Stage e Anti Stage, e ainda colaboramos com o teatro Sá de Miranda para espectáculos de música mais experimental e com uma componente audiovisual muito forte”.

Gustavo destaca a presença de Underworld, “sem dúvida o maior destaque”, o regresso de Kink, a estreia de Nicolas Lutz, os Sensible Soccers, que têm andado a apresentar o seu novo álbum, Aurorae Laurent Garnier, que irá encerrar o Neo Stage às 9 da manhã no último dia do festival. Quando questionado sobre se existe algum tipo de rivalidade entre o seu festival e o Sonic Blast, Gustavo Pereira ri-se desse cenário relembrando que ambos tem públicos bastante diferentes e que por vezes até existem alguns aventureiros que acabam por visitar os dois festivais dada a sua proximidade geográfica, separados por cerca de 20 quilómetros.

Ricardo Rios partilha da mesma opinião valorizando os benefícios que ambos os eventos musicais trazem à região, destacando a dinamização do turismo local: “As pessoas passam aqui a semana, os hotéis estão completamente lotados. É muito saudável para a economia local.”

Os organizadores desejam que os seus respectivos festivais continuem a crescer e a manter o mesmo nível de qualidade, desejando ainda muito sucesso aos seus vizinhos e que continuem a trazer benefícios para Viana do Castelo. “Viana tem promovido boas iniciativas e bons espectáculos nos vários campos das artes”, remata Gustavo Pereira.