A equipa norte-americana bateu a Holanda na final do Campeonato do Mundo, em França.
Foto
A equipa norte-americana bateu a Holanda na final do Campeonato do Mundo, em França. USA TODAY USPW/Reuters

Federação de futebol diz que mulheres ganham mais do que homens. Selecção feminina desmente

A Federação de Futebol dos Estados Unidos alega que os homens geram mais receita, mas são as mulheres a auferir um salário maior. Seleccção feminina diz que é “uma farsa”.

A Federação de Futebol dos Estados Unidos revelou esta terça-feira, 30 de Julho, que as jogadoras da sua selecção foram mais bem pagas do que os homens, analisando o período que vai de 2010 a 2018. Em carta assinada pelo presidente da US Soccer, Carlos Cordeiro, a federação diz que pagou às mulheres 34,1 milhões de dólares (cerca de 30,6 milhões de euros) em salários e bónus, enquanto os homens se ficaram pelos 26,4 milhões (cerca de 22,7 milhões de euros).

Contudo, a Selecção de Futebol Feminino dos Estados Unidos (USWNT, na sigla em inglês) diz que as afirmações da US Soccer são “uma farsa”, escreve o The Guardian. A carta de Carlos Cordeiro é “uma triste tentativa da US Soccer de conter a incrível onda de apoio que a USWNT recebeu de fãs, patrocinadores e do Congresso norte-americano”, disse Molly Levinson, porta-voz das jogadoras.

“A US Soccer admitiu repetidamente que não paga a homens e mulheres de forma igualitária e não acredita que as mulheres mereçam, sequer, ser pagas igualitariamente”, prosseguiu Levinson. 

Por outro lado, de acordo com a US Soccer, foram as selecções masculinas a gerar mais receitas, com 185,7 milhões em 191 jogos, contra 101,3 milhões em 238 jogos. Esta posição da federação vem no seguimento da contestação pública das jogadoras que conquistaram o Mundial disputado em França. Já em Março tinham avançado com um processo na justiça federal por “discriminação de género institucionalizada”, o que incluía compensações monetárias desiguais.

Entretanto, as duas partes aceitaram a mediação para resolver o diferendo, sem que se chegue a julgamento.