The 1975/Instagram
Foto
The 1975/Instagram

Greta Thunberg participa na nova música da banda The 1975

Notes on a Conditional Form é o nome do novo álbum dos The 1975, no qual Greta Thunberg lê algumas frases. “Estamos no início de uma crise climática e ecológica e necessitamos de chamá-la pelo seu nome — uma emergência”, diz a jovem activista sueca.

A banda britânica The 1975 vai incluir no seu novo álbum palavras lidas pela activista sueca Greta Thunberg, que reivindica a necessidade de “actuar com emergência” para travar a crise climática.

“Estamos no início de uma crise climática e ecológica e necessitamos de chamá-la pelo seu nome — uma emergência”, diz Greta Thunberg na mais recente música da banda, divulgada esta quinta-feira, 25 de Julho, no YouTube.

A activista, que se converteu numa das vozes líderes no debate sobre o clima, está “agradecida” por ter lançado um tema com a banda de Manchester, pois esta é uma oportunidade de enviar uma mensagem a um novo público, de uma forma inovadora, disse Thunberg aos meios de comunicação social britânicos.

“Acho óptimo que os The 1975 estejam tão envolvidos na crise climática. Necessitamos urgentemente que pessoas de todas as áreas da sociedade se comprometam”, apelou.

O tema vai abrir o próximo álbum da banda, Notes on a Conditional Form, cujas receitas irão reverter a favor do movimento social Extinction Rebellion, que tem como objectivo exercer influência sobre o Governo do Reino Unido e as políticas ambientais globais.

Em quatro minutos e meio, Greta Thunberg — recentemente premiada pela Amnistia Internacional — reafirma a sua posição sobre a crise climática e salienta a necessidade de “mudar as regras” que regem os sistemas actuais. Isto porque “não há áreas cinzentas quando se trata de sobreviver”.

“A principal solução é tão simples que até uma criança pequena pode entendê-la. Temos de parar as nossas emissões de gases de efeito de estufa”, são algumas das palavras da activista durante a melodia.

Greta Thunberg acaba a sua intervenção apelando a que as pessoas despertem, pois este “é o momento de desobediência civil”. “É hora de se revoltarem.”

O empresário da banda e fundador da marca Dirty Hit, Jamie Oborne, disse que está a fazer todos os esforços para minimizar o impacto ambiental e anunciou que a sua empresa não irá produzir mais plástico de única utilização, uma decisão inclui as caixas dos CD.