Em Marvão, um festival de música emergiu do silêncio

O encanto de Marvão levou o violinista e maestro alemão Christoph Poppen a criar um festival de música na vila alentejana, uma história de sucesso que terá a sua sexta etapa desde esta sexta-feira e até 28 de Julho.

Foto

Depois de alguns concertos em Valência de Alcântara (Espanha) e Monforte que serviram de “Prelúdio”, o Festival Internacional de Música de Marvão inicia esta sexta-feira, às 19h30, a sua programação oficial com a actuação da Orquestra de Câmara de Colónia e de um conjunto de solistas que inclui a soprano Juliane Banse, o violoncelista Aurélien Pascal e o trompista Felix Klieser. A música de Mozart (Abertura de La Clemenza di Tito; Concerto para Trompa K. 495; e a ária de Electra “Tutte nel cor vi sento” da ópera Idomeneo) e Schumann (Concerto para Violoncelo op. 129) dará assim início no belo cenário do Castelo de Marvão a um leque de propostas diversificadas que até ao dia 28 de Julho irão percorrer repertórios que se estendem do século XV ao século XXI. A direcção do concerto de abertura cabe ao maestro Christoph Poppen, que é também o responsável pela direcção artística, juntamente com a cantora Juliane Banse, com quem é casado.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários