A Lua vai ficar parcialmente escondida e há festa pelo país

Em Portugal haverá várias actividades para observar grande parte da Lua a ser tapada pela sombra da Terra.

Foto
Combinação de fotografias tiradas durante o eclipse parcial da Lua visto em Amã, na Jordânia, a 16 de Agosto de 2008 Muhammad Hamed/Reuters

Na semana em que se celebra o 50.º aniversário da chegada do homem à Lua, o nosso satélite natural dá-nos outro motivo para olharmos para ele: esta terça-feira há um eclipse parcial lunar. Em Portugal (hora de Lisboa), às 22h31, 66% da Lua ficará tapada pela sombra da Terra. Ao longo do país, haverá actividades para celebrar a noite em que a Lua fica parcialmente escondida.

Um eclipse parcial da Lua acontece quando a Lua é ocultada parcialmente pela sombra da Terra. Para tal, é preciso que o Sol, a Terra – no meio – e a Lua (em fase de Lua Cheia) estejam alinhados. Para ver o eclipse de terça-feira o melhor é começar a espreitar o céu logo ao início desta noite.

Às 19h42, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), a Lua entrará na penumbra da Terra (sombra muito ténue), mas ainda não será visível porque a Lua está abaixo do horizonte. “Em Portugal, a Lua irá nascer [às 20h55] quando já estiver a decorrer o eclipse, pelo que não será possível observar todo o fenómeno desde o início”, refere-se num comunicado do Núcleo Interactivo de Astronomia (Nuclio).

Mais precisamente às 21h01, a Lua entrará na sombra (umbra) projectada pela Terra. O máximo do eclipse ocorrerá às 22h31, quando cerca de 66% do satélite natural ficar escondido pela sombra da Terra. Por fim, a Lua sairá da umbra às 24h e da penumbra à 1h20 já de quarta-feira.

PÚBLICO -
Foto
Ilustração de como será o céu de Lisboa a 16 de julho de 2019, às 21h30 DR

“Pode ver-se o eclipse em qualquer lugar onde seja possível ver a Lua. Não são precisos instrumentos”, diz ao PÚBLICO Máximo Ferreira, astrónomo e director do Centro Ciência Viva de Constância – Parque de Astronomia, onde a partir das 20h haverá uma conversa sobre a Lua e locais de alunagem e, às 21h, iniciar-se-ão as observações e registos de imagens do eclipse lunar. “Os nossos olhos são a melhor forma de contemplar a beleza deste fenómeno.”

O astrónomo aconselha quem quiser apreciar o eclipse a olhar para o lado oposto onde o Sol se põe a partir das 21h e a ficar atento à coloração da parte do satélite natural que não ficar tapado. No comunicado do Nuclio acrescenta-se ainda que a Lua surgirá no horizonte Sudeste próximo de Saturno e com Júpiter à direita.

De Norte a Sul e ilhas

Pelo país, haverá vários sítios onde será possível observar este eclipse com acompanhamento de especialistas. A partir das 21h, haverá uma sessão no Observatório do Planetário – Casa da Ciência Centro Ciência Viva de Braga, em Gualtar.

O Planetário do Porto – Centro Ciência Viva e o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) abrirão as portas do Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo das 21h às 23h. “Na Quinta do Covelo, a Lua só deve ficar visível acima das árvores por volta das 21h30, mas, além do eclipse da Lua, será ainda possível observar com os telescópios o planeta Júpiter e as suas luas, e os anéis de Saturno”, avisa a organização em comunicado.

Em parceria com a Associação de Física da Universidade de Aveiro, o Centro Ciência Viva de Aveiro também organiza uma sessão de observação. O ponto de encontro será junto à entrada Norte do Departamento de Física da Universidade de Aveiro às 21h. No Exploratório do Centro Ciência Viva de Coimbra a sessão começará às 21h30.

Em Cascais, em colaboração com o Nuclio, decorrerá uma sessão de observação do eclipse no Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal, a partir das 21h. Antes, haverá uma oficina sobre o livro infantil Valente Valentina, da autoria de Andreia Nunes e com ilustrações de Rachel Caiano. Também o Centro Ciência Viva de Lagos organiza uma sessão dedicada à Lua junto ao Forte Ponta da Bandeira.

Em Ponta Delgada, o Expolab – Centro Ciência Viva, em parceria com Observatório Astronómico de Santana, propõe uma noite com “Banhos de Lua”, isto é, observar o fenómeno junto ao mar (nas piscinas do Pesqueiro) às 21h. No Funchal, também às 21h, a sessão é organizada pelo Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva juntamente com a Associação de Astrónomos Amadores da Madeira no Miradouro do Pico dos Barcelos.

Missão indiana adiada

Além de Portugal e da maioria da Europa, este eclipse será visível a partir da maior parte da Ásia, Austrália, África, América do Sul, uma pequena parte da América do Norte, da Antárctida, do Índico, Pacífico e Atlântico. O próximo eclipse visível em Portugal será um eclipse anular do Sol – quando a Lua cobrir o centro do Sol e ficar visível um anel da estrela – a 26 de Dezembro.

PÚBLICO -
Foto
Chandrayaan-2 Lusa

Esta é sem dúvida a semana do nosso satélite natural. No último domingo à noite (madrugada na Índia) o lançamento agendado da segunda missão da Índia à LuaChandrayaan-2 – foi adiado cerca de uma hora antes devido a um problema técnico. A agência espacial da Índia deverá anunciar em breve uma nova data de lançamento. Caso a Chandrayaan-2 consiga alunar, será a primeira missão a fazê-lo no Pólo Sul da Lua e a Índia tornar-se-á o quarto país a pousar no solo lunar.

Sugerir correcção