IPMA alerta para presença de caravelas portuguesas nas praias

Autoridades lançam alerta para os cuidados a ter pelos banhistas. O IPMA prevê que a abundância destes organismos diminua gradualmente ao longo do tempo.

,Homem português da guerra
Foto
Enric Vives-Rubio

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) afirma que ainda está a receber relatos de muitos avistamentos de diversas espécies de organismos gelatinosos, nomeadamente de Physalia physalis, mais conhecida como caravela-portuguesa, e de Velella velella.

Segundo os dados do programa GelAvista, plano criado pelo IPMA que permite à população e a outras entidades reportar o avistamento de qualquer espécie de organismos gelatinosos nas praias ou águas portuguesas, "a abundância destes exemplares é já menor do que no final de Maio e início de Junho”, mas é necessário “aguardar a evolução dos factores oceanográficos locais para perceber como poderá progredir o transporte destas espécies”. No entanto, o IPMA prevê que a abundância diminua gradualmente ao longo do tempo.

“Trata-se de um fenómeno, de crescimento rápido naturais e sazonais das espécies, que ocorrem anualmente, motivados por condições oceanográficas e ambientais favoráveis à sua reprodução. O ano de 2019 tem sido caracterizado por um período mais longo e intenso de arrojamento destas espécies, detectadas desde o final de Janeiro”, lê-se numa nota publicada na página do IPMA.

O IPMA refere que “embora as espécies tenham ambas uma cor azulada importa esclarecer as diferenças” entre as duas. A espécie Physalia physalis (ou caravela-portuguesa) “apresenta um flutuador em forma de “balão” e, em geral, de dimensões maiores do que a Velella. Os seus tentáculos podem chegar aos 30 metros de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras. É a espécie que requer maior cautela por parte dos banhistas nas águas Portuguesas”. Já a espécie Velella velella, apresenta um flutuador em forma de “vela” triangular achatada. São em geral de pequenas dimensões, diâmetro varia entre um a sete centímetros e possui tentáculos curtos, ligeiramente urticantes que na maioria dos casos não representam perigo para os banhistas”.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) recomenda aos banhistas que evitem o contacto com os organismos. Em caso de contacto com a caravela-portuguesa, o cidadão deve lavar a zona afectada com água do mar, sem esfregar, remover os tentáculos que ainda permaneçam na pele com uma pinça, aplicar vinagre e bandas quentes (ou água) e procurar assistência médica.

Para o mês de Julho, os avistamentos da espécie Physalia physalis (caravela-portuguesa) recebidos pelo GelAvista deram-se em várias zonas do país, nomeadamente em praias do Centro e Sul. Em Lisboa, detectou-se a presença destes organismos na Praia da Areia Branca, da Peralta e de Porto Dinheiro (Lourinhã), Praia de S. Lourenço (Mafra), Praia do Giribeto (Sintra) e Praia de Carcavelos.

Em Leiria na Praia da Gambôa (Peniche) e no Algarve na Praia da Amoreira (Aljezur) e na Praia de Faro. 

Nos Açores também foi avistada a presença desta espécie, nomeadamente na Praia do Varadouro (Faial), Praia das Milícias (São Miguel), Silveira (Terceira), Zona balnear das Cinco Ribeiras (Terceira), Serretinha (Terceira) e no Cais da Calheta (Santa Cruz da Graciosa).

Alguns exemplares da espécie Velella velella foram avistados em Coimbra, na Praia da Tocha e de Mira (Cantanhede), em Lisboa, na praias da Areia Branca, do Areal e da Peralta (Lourinhã), nas praias de S. Lourenço e da Calada (Mafra), nas praias da Foz do Lizandro, do Sul, do Algodio e de Ribeira de Ilhas (Ericeira), nas praias do Giribeto, da Cresmina e da Samarra (Sintra) e na Praia da Princesa (Caparica). Foi detectada a presença destes organismos também em Setúbal, na Praia Grande, em Tróia.