Portugal e Argentina continuam empatados no Mundial

As duas selecções somam agora quatro pontos cada no Grupo B.

Foto
Catarina Maria/FPP

Foi um dia de hóquei em patins de altíssimo nível o que se viveu nesta segunda-feira, em Barcelona. Na 2.ª jornada da fase de grupos do Campeonato do Mundo da modalidade, que reuniu as quatro melhores equipas da modalidade, Portugal empatou com a Argentina (1-1) e a Espanha levou a melhor sobre a Itália (5-3).

No Pavilhão Municipal de Vilanova, na Catalunha, Portugal entrou melhor, com mais velocidade na circulação e criando o espaço suficiente para duas situações de finalização ao segundo poste, que não foram aproveitadas. O golo inaugural aconteceria aos 16’, com uma stickada de meia distância de Gonçalo Alves, que viu a bola passar por baixo do corpo do guarda-redes.

A resposta da Argentina surgiria já na segunda parte, o melhor período dos sul-americanos. Lucas Ordoñez, de livre directo, empatou aos 31’, mas apenas à segunda tentativa, depois de o árbitro ter ordenado a repetição da falta por considera que Ângelo Girão saiu em demasia do seu raio de acção.

Com o 1-1 no fim do tempo regulamentar, seguiu-se o desempate por livres directos, algo que tem efeito meramente preventivo, acautelando um futuro empate absoluto entre as duas selecções no final da fase de grupos. Nesse capítulo, Portugal levou a melhor, por 2-1, com os golos a serem marcados por Hélder Nunes (dois) e Carlos Nicolía.

Antes, a anfitriã Espanha dominou em absoluto um adversário que ficou praticamente remetido às bolas paradas e às transições ofensivas para conseguir criar perigo. Ferran Font inaugurou o marcador aos 7’ e Ambrosio respondeu de livre directo, fazendo o 1-1 aos 20’. A resposta espanhola foi contundente e ao intervalo a selecção de Alejandro Domínguez já vencia por 3-1 (marcaram Alabart e Bargalló).

No segundo tempo, Espanha continuou por cima do jogo, com uma reacção tremenda à perda da bola, mas ainda viu o rival chegar novamente ao empate. Ambrosio bisou, novamente de livre directo, e Gavioli concluiu da melhor forma um contra-ataque italiano, obrigando o rival a reagir. Jordi Adroher, de livre directo, e Bargalló fecharam o resultado e deixaram a selecção da casa isolada no topo do Grupo A, com seis pontos, mais três que a Itália e mais cinco do que Angola e França.