Novos carros eléctricos devem emitir barulho por segurança

A directiva da União Europeia obriga a que os novos veículos eléctricos e híbridos disponham de geradores de ruído artificial, com um som parecido com o do motor tradicional. Medida terá de ser implementada até 2021 em carros já em circulação.

Foto
A directiva da UE antevê que o sistema seja activado automaticamente André Rodrigues/ARQUIVO

A União Europeia obriga, desde esta segunda-feira, a que os novos carros híbridos e eléctricos contenham um dispositivo que produza ruído de motor de forma artificial, por uma questão de segurança. O som produzido pelo novo sistema será semelhante ao produzido por um motor tradicional.

Este sistema de alerta acústico de veículos (AVAS) tem como objectivo garantir a segurança na estrada, principalmente para os peões, uma vez que os actuais carros eléctricos não produzem som e podem não ser ouvidos pelas pessoas.

“A redução de ruído eliminou uma fonte importante de sinais audíveis que permitiam aos peões cegos ou amblíopes e aos ciclistas, entre outros utentes das vias públicas, aperceber-se da aproximação, presença ou afastamento desses veículos”, aponta o documento.

A directiva da União Europeia antevê que o sistema seja activado automaticamente, até atingir os 20 quilómetros por hora, ou quando for realizada a manobra de marcha atrás. A intensidade do som deve estar em conformidade com o comportamento do carro (a sua velocidade e a direcção de marcha) e deve fixar-se entre os 56 e os 75 decibéis, que são os valores produzidos por um motor convencional.

Os novos carros eléctricos e híbridos, ou já em circulação, deverão implementar o sistema AVAS até 1 de Julho de 2021.

A necessidade de incorporar um som semelhante ao dos veículos tradicionais surgiu no seguimento da contestação de várias associações — entre elas a União Europeia de Cegos, que são um dos grupos que mais riscos correm com a falta de ruído dos carros — e da assinatura de uma petição.

Segundo o site da associação, um estudo britânico revelou que o número de acidentes que afectaram peões que envolvem carros eléctricos ou híbridos entre 2012 e 2013 subiu de 98, para 151, ou seja, um aumento de 54%.