Minipreço retira sapo de loiça usado para afastar ciganos e pede desculpa

Grupo DIA diz que desencadeou mecanismos “de alerta e prevenção para que situações similares não se repitam” em nenhuma das mais de 530 lojas em solo nacional. Este caso aconteceu em Leiria.

Foto
Sapos de barro numa loja de chineses, em Beja, para afastar os ciganos (que associam o animal ao azar e a infelicidade) Pedro Martinho

À entrada de uma das lojas do Minipreço em Várzeas, a 15 quilómetros do centro de Leiria, estava um sapo de cerâmica que é geralmente utilizado para “afastar” ciganos. Depois de ter tomado conhecimento da situação, a direcção de relações externas da DIA (detentora da marca Minipreço em Portugal) diz ao PÚBLICO “lamentar profundamente” o sucedido e refere que procedeu “à imediata remoção” da peça racista da loja.

PÚBLICO -
Foto
Imagem enviada por uma leitora do sapo à entrada do Minipreço de Várzeas DR

A denúncia para o sapo de cerâmica que estava no centro comercial da Serração, em Várzeas, chegou por parte de uma leitora que enviou ao PÚBLICO fotografias do objecto à entrada do estabelecimento comercial, tendo “por intuito afastar ciganos que habitam a área circundante”.

A prática de ter sapos de cerâmica em lojas, cafés e restaurantes é utilizada para afastar pessoas de etnia cigana – que têm superstições associadas aos batráquios: a aparição de um sapo, mesmo que de louça, é considerada de mau agoiro. Esta prática racista ficou registada numa curta-metragem da realizadora Leonor Teles, intitulada Balada de um Batráquio, que a tornou a mais jovem vencedora de sempre do Urso de Ouro da curta-metragem em Berlim, em 2016.

A direcção de relações externas da DIA ressalva ainda que “todas as questões que envolvam algum acto discriminatório, persecutório ou que afectem pessoas, crenças ou religiões são condenadas e proibidas pelo código de conduta” do grupo, que diz pautar-se por princípios de “não-discriminação étnica, política, religiosa e cultural”.

“Ao mesmo tempo desencadeámos os nossos mecanismos internos de alerta e prevenção para que situações similares não se repitam em qualquer uma das nossas mais de 530 lojas em território nacional, ainda que não tenhamos conhecimento de qualquer situação análoga”, lê-se na resposta escrita enviada esta quinta-feira. Este código ético da cadeia de supermercados “é obrigatório para colaboradores, directores e administradores do Grupo DIA, que inclui a empresa mãe e as suas filiais”.

“Não Engolimos Sapos”

Para combater o estigma, o projecto Não Engolimos Sapos andou pelo país a tentar convencer comerciantes a retirar os sapos de louça dos seus estabelecimentos – dando até origem a exposições de fotografias dos sapos “libertados”. Em 2016, conseguiram que metade dos estabelecimentos visitados retirasse os sapos de louça, pondo uma tabuleta à entrada onde se lia “aberto a todos”, “aberto à diversidade” ou “fechado ao preconceito”.

A activista cigana Maria Gil participou na acção no Porto, onde mora, e assevera que estes objectos “são um insulto, o símbolo de um insulto e o afirmar de uma atitude racista”. Muitos dos comerciantes com quem falou no Porto não aceitaram retirar o sapo e “muitos fingiam-se surpreendidos, outros entravam em negação e diziam que era um objecto meramente decorativo; poucos assumiam que era racismo”, diz, em conversa com o PÚBLICO. “Há uma banalidade do insulto e um racista arranja sempre justificação para ser racista”, conclui.

Maria Gil brinca ao dizer que já fingiu tropeçar em sapos para os partir e que já passou por fases de raiva e de espanto ao ver os sapos. “Agora chego a ridicularizar a situação, até para conservar a minha sanidade mental”, admite, acrescentando que evita entrar nestas lojas, mas há alturas em que “não tem alternativa”. De resto, o estigma em torno das comunidades ciganas ainda é bem palpável, diz: “Os ciganos são alvo de três coisas distintas: exclusão, discriminação e racismo. Parece que é a mesma coisa, mas não é.”

Na segunda-feira, dia nacional do cigano, o investigador José Pereira Bastos disse que Portugal devia “pedir desculpa aos ciganos” pela forma como foram tratados ao longo dos séculos, até porque “resulta de um racismo sistemático, estrutural, que vem desde que eles chegaram cá em 1500 e que nenhum governo republicano ou monárquico ou socialista ou liberal fez nada até hoje”.