Angra Iate Clube organiza em 2020 o Campeonato de Portugal de Cruzeiros

No ano em que comemora as bodas de prata e irá realizar a 25.ª Angra Bay Cup, o clube da Terceira, nos Açores, vai receber em meados de Julho um “grande evento nacional”.

A 24.ª Angra Bay Cup contou com a presença de 37 veleiros
Fotogaleria
A 24.ª Angra Bay Cup contou com a presença de 37 veleiros Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato
Vela
Fotogaleria
Rodrigo Moreira Rato

Pelo 24.º ano consecutivo, a baía de Angra do Heroísmo recebeu a Angra Bay Cup - “8 aos ilhéus”, um dos pontos altos das festas Sanjoaninas na ilha Terceira, nos Açores, e apesar de o forte vento ter levado a que sete das 42 embarcações inscritas não tenham iniciado as cerca de 12 milhas náuticas no campo de regatas entre Angra e o Ilhéu dos Fradinhos, a prova “decorreu dentro das expectativas” e voltou a virar a cidade, classificada como Património Mundial pela UNESCO, para o mar. No próximo ano, o Angra Iate Clube terá a seu cargo a responsabilidade de organizar o Campeonato de Portugal de Cruzeiros ORC.

Apesar do vento de noroeste constante entre os 10 e os 15 nós, com rajadas superiores aos 20 nós, a prova, que com contou com barcos portugueses, franceses, holandeses e norte-americanos, decorreu praticamente sem incidentes e teve como vencedores o Yermad (classe A), o Picollo (classe B) e o Aphrodite (classe Open).

PÚBLICO -
Foto
Rodrigo Moreira Rato

No final da regata, Augusto Silva, presidente do Angra Iate Clube, afirmou ao PÚBLICO que a Angra Bay Cup - “8 aos ilhéus” decorreu “dentro das expectativas”, embora o “forte vento que se fazia sentir no momento da largada” tenha provocado algumas baixas na frota inicialmente prevista: “Sete das 42 embarcações inscritas acabaram por não sair com receio de terem alguns prejuízos com avarias.”

Cumprindo com sucesso a organização de uma “regata diferente, com alguma magia”, Augusto Silva aponta já a mira em direcção ao próximo ano, “uma data histórica” para o Angra Iate Clube. Em 2020, o clube náutico e a prova idealizada por Manuel Ponte vão cumprir o seu 25.º aniversário e o objectivo será “fazer uma grande regata com a presença de ainda mais skippers, incluindo estrangeiros que aderem muito bem e saem deslumbrados com o convívio no final”.

Porém, a fasquia para o Angra Iate Clube será elevada com um novo “desafio”. No final da 24.ª edição da Angra Bay Cup, Augusto Silva anunciou que em 2020 o Campeonato de Portugal de Cruzeiros ORC, que este ano terá lugar no Porto Santo e na Madeira, será nos Açores.

PÚBLICO -
Foto
Rodrigo Moreira Rato

“É um grande evento nacional e tentaremos fazer tudo por tudo para que corra tudo bem para que o ORC nos Açores volte a estar no auge. Será a meio de Julho, mas ainda faltam acertar alguns pormenores. Serão pelo menos quatro provas e gostávamos de enquadrar a regata com a Atlantis Cup, que começa no final do Julho”, afirmou ao PÚBLICO Augusto Silva.

Sobre o percurso da competição, o terceirense revelou que o “Angra Iate Clube tem vários percursos estudados”, adiantando ainda que irá sugerir “uma regata entre Angra e a Praia da Vitória e vice-versa, alguns windshores na baia de Angra e uma outra entre Angra e a Graciosa, que seria a mais longa. Essas são propostas e a Federação Portuguesa de Vela irá estudá-las”.

PÚBLICO -
Foto
Rodrigo Moreira Rato

Para além da 25.ª edição da Angra Bay Cup e de organizar o Campeonato de Portugal de Cruzeiros ORC, o clube náutico de Angra do Heroísmo vai também receber “uma regata internacional, que sairá de Concarneau, em França, e passará durante três dias pela Terceira”.

“Com esses eventos, necessitamos que as entidades oficiais nos olhem de outra maneira e apoiem mais o Agra Iate Clube. Sem esses apoios, é difícil se consegue fazer eventos desta grandeza na Ilha Terceira e o nosso objectivo é virar Angra para o mar. Durante alguns anos a cidade esteve de costas viradas para o mar e estamos a conseguir, com as nossas modalidades de vela, canoagem, jetski e natação, inverter isso. Mas, para estarmos a virar Angra para o mar, necessitamos de mais alguns apoios. Não estou a dizer que não temos tido apoios, mas serão necessários maiores. Já demos provas nos últimos anos que tudo estamos a fazer para dar uma volta a Angra”, conclui Augusto Silva.