Crítica

“A Felicidade é uma escada para casa”

Patrícia Reis bate-se por uma sociedade humanista. Para tal, fala do oposto, expõe os traumas dos indivíduos mais solitários.

Foto
Patricia Reis: uma mulher de causas daniel rocha

O título deste texto, frase retirada de As Crianças Invisíveis, é enganador, uma vez que os protagonistas têm poucas hipóteses de alcançar a felicidade e de ascender até essa “casa” que eventualmente os espera. O que a autora relata é a condição de milhares de crianças recolhidas em instituições que esperam ser adoptadas, ou seja, que mantêm perigosamente a esperança de encontrar um espaço onde possam ser crianças com a dose de amor, protecção, carinho, compreensão e empatia que lhes é devido. Até chegar esse dia e ao longo de caminhos sinuosos e feitos de obstáculos, vivem e vão crescendo, sujeitos ao trauma da incerteza.