Médico do Exército defende que o treino dos Comandos devia ter sido alterado sob calor intenso

Tenente-coronel foi ouvido em tribunal nesta terça-feira. Nunca falou especificamente da prova que vitimou dois instruendos em 2016, mas referiu que perante condições adversas como as que levaram à desidratação extrema dos dois militares, os planos teriam de ser mudados. O exercício físico sob um calor intenso pode levar o corpo a “perder dois litros de água por hora”.

Militares
Foto
daniel rocha

O tenente-coronel Joaquim Dias Cardoso, médico, disse durante o julgamento dos Comandos que a prática de exercício com calor representa “um risco elevadíssimo”. Insistiu várias vezes apenas poder referir-se a uma situação abstracta, mas reiterou: “Com a intensidade [do exercício, o risco] agrava-se exponencialmente.”