Pela nona vez, Portugal está a um degrau de uma final da UEFA ou FIFA

Na posse do título europeu, conquistado em 2016 em França, Portugal vai defrontar esta noite no Estádio do Dragão, a Suíça, nas meias-finais da primeira edição da Liga das Nações. João Félix pode estrear-se pela principal selecção a titular ao lado de Ronaldo

Foto
LUSA/HUGO DELGADO

Depois de jogar as meias-finais dos Mundiais de 1966 e 2006, dos Europeus de 1984, 2000, 2004, 2012 e 2016, e da Taça das Confederações de 2017, Portugal entrará hoje pela nona vez em campo para lutar por um lugar no jogo decisivo de uma competição organizada pela FIFA ou pela UEFA. Ainda na posse do título europeu, conquistado a 10 de Julho de 2016 em França, Portugal vai defrontar esta noite no Estádio do Dragão, nas meias-finais da primeira edição da Liga das Nações, a Suíça, que derrotou a equipa portuguesa em dois dos últimos três duelos entre os dois países. Sem André Silva, melhor marcador de Portugal na fase de qualificação, João Félix deve estrear-se pela principal selecção portuguesa a titular ao lado de Cristiano Ronaldo.

Dois meses e 12 dias depois de registar no Estádio da Luz o quarto empate consecutivo – Itália, Polónia, Ucrânia e Sérvia – com um total de apenas dois golos marcados, Portugal terá no Dragão o favoritismo e a responsabilidade do seu lado, mas estará confortado com um registo como anfitrião ainda imaculado desde que Fernando Santos substituiu Paulo Bento no comando da selecção portuguesa: Portugal não perde em casa em jogos competitivos há 12 partidas – a última derrota foi contra a Albânia, em Setembro de 2014.

PÚBLICO -
Aumentar

Embora tenha perdido apenas dois dos 39 jogos competitivos (contra a Suíça e o Uruguai) desde que é seleccionador português, Fernando Santos teve uma entrada em falso em 2019, com os dois empates em Lisboa nas duas primeiras jornadas da fase de qualificação para o Euro 2020, e os duelos contra a Ucrânia e Sérvia colocaram a nu problemas antigos da selecção nacional: muita posse de bola e muitos remates, pouca eficácia. A necessidade de corrigir os defeitos tácticos e o protagonismo no final da época de alguns jogadores com pouco ou nenhum passado nas conservadoras escolhas de Fernando Santos tornam a previsão das opções do seleccionador para o “onze” desta noite um puzzle com várias peças por encaixar.

Tradicionalmente adverso a grandes inovações tácticas e a mudanças radicais nas escolhas para a equipa principal, Fernando Santos não deverá ter dúvidas para o cinco de trás, onde Rui Patrício terá à sua frente um quarteto formado por Cancelo, Pepe, Rúben Dias e Raphaël Guerreiro. A partir daí, o enigma adensa-se. Contra a Ucrânia e a Sérvia, apenas William Carvalho teve lugar cativo no meio-campo e Danilo, um dos melhores portugueses na última partida, terá que cumprir frente à Suíça um jogo de castigo.

Partindo do princípio de que Santos apostará no 4x4x2, o sistema que mais “poder de fogo” garante a Portugal e que o seleccionador utilizou no triunfo na Luz sobre os helvéticos em Outubro de 2017 no apuramento para o Mundial 2018, há dois candidatos para a vaga ao lado de William Carvalho no meio-campo: João Moutinho e Rúben Neves. A experiência e o bom final de época colocam Moutinho na “pole position” para o lugar.

No ataque à baliza suíça de Sommer há duas certezas: Cristiano Ronaldo e Bernardo Silva são intocáveis. Faltam, porém, dois nomes. Para um dos flancos os candidatos são Pizzi, Rafa e Bruno Fernandes, sendo que as características do sportinguista o colocam em desvantagem num esquema de 4x4x2. No centro, apesar de Gonçalo Guedes ter terminado bem a época em Valência, o parceiro de Ronaldo será João Félix ou Dyego Sousa.

Do lado suíço, Vladimir Petkovic manterá o habitual 4x2x3x1, com um trio de meio-campo robusto na zona central (Xhaka-Zakaria-Fernandes) e Seferovic como principal ameaça à baliza portuguesa. Petkovic pode, no entanto, ter um problema: Xhaka (Arsenal), Shaqiri (Liverpool), Zuber (Estugarda) e Freuler (Atalanta) tiveram competição com os seus clubes até há um par de dias e podem não estar nas melhores condições físicas.