Por baixo das glicínias foram descobertos novos nenúfares de Monet

Uma surpresa: na tela Wisteria estavam escondidos nenúfares, as flores centrais da mais célebre produção do pintor na sua série Nymphéas. Estilhaços de vidro, uma radiografia e uma possível ponte entre os famosos nenúfares e as menos populares glícinias impressionistas.

Quadro de tela
Foto
"Wisteria (1917-20)" Claude Monet

A série Nymphéas, ou os famosos nenúfares de Monet, é a mais popular e valiosa produção do impressionista francês mas está longe de ser a mais rara — são cerca de 250 óleos criados nos últimos 30 anos da carreira do pintor. É também uma das mais estudadas. Ainda assim, a descoberta de novos nenúfares, sobretudo sob uma camada das também famosas glicínias de Claude Monet (1840-1926), é uma surpresa. A história de como uma pintura foi retirada da parede pela primeira vez em 60 anos e deu origem a esta descoberta é contada pelo New York Times, que a classifica como “extraordinária”. Pode até representar a descoberta do elo de ligação entre os dois motivos florais que Monet tanto representou.

A primeira pista foi dada por pedaços de vidro cravados na tela de uma das oito pinturas de glicínias conhecidas, e que fazem parte da instalação de painéis de nenúfares Grandes Décorations — as telas com glicínias destinavam-se a ser expostas em cima dos óleos de nenúfares, como um grande friso florido doado ao Estado francês em 1918. As pinturas acabariam por não ser valorizadas na altura, e muito menos apresentadas como Monet planeara — mostradas um ano após a sua morte, em 1927, as glicínias foram mesmo excluídas da grande exposição na Orangerie, por motivos de espaço, e deixadas no seu atelier.

A pintura Wisteria (1917-20)​, de 1,50x2 metros em tons de púrpura, verde e azul reside no Gemeentemuseum, um museu holandês em Haia, cujos conservadores iam analisar como parte dos preparativos para uma mostra dedicada ao pintor impressionista no final de 2019. Mas os retoques nesse óleo que agora faz parte do conjunto das mais valorizadas obras do autor de Impression, soleil levant (de 1872 e que baptizou mesmo o movimento impressionista) deram o primeiro alarme — destinavam-se a cobrir pequenos furos, dentro dos quais estavam estilhaços de vidro.

Esses estilhaços, escreve o New York Times na sua edição de segunda-feira, podem muito bem ser vestígios dos bombardeamentos dos Aliados sobre a França ocupada na Segunda Guerra Mundial. É a hipótese colocada pela conservadora Ruth Hoppe, que levou a cabo a inspecção da pintura das glicínias para encontrar, com a ajuda de radiografias, uma outra pintura, de nenúfares, na mesma tela. Vários trabalhos de Monet foram danificados no seu estúdio em Giverny, no norte de França, durante a guerra e isso está documentado tanto pelo Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), que detém um tríptico dos nenúfares de Monet igualmente dilacerado por vidro e metal, quanto pelo pintor americano Ellsworth Kelly, que encontrou um cenário de destruição em roda de telas ainda nos cavaletes quando visitou o estúdio de Monet nos anos 1950.

Ruth Hoppe, intrigada pelos estilhaços e depois espantada pelo que a radiografia à tela encontrou, acaba por ser a autora da descoberta de novos nenúfares de Monet e tenta agora contextualizar a sua origem. “Não há muitas histórias sobre encontrar nenúfares atrás de outra pintura de Monet”, disse ao diário norte-americano. “Pode significar que esta pintura era uma espécie de experiência. Porque de outra forma começar-se-ia numa tela em branco”, opina.

Mas a sua verdadeira tese é que os nenúfares subjacentes são na verdade os últimos nenúfares pintados por Monet — “não há uma razão evidente para ele reutilizar uma tela. O motivo mais lógico para mim é que ele quisesse tentar algo novo e ainda não tinha a certeza onde iria levá-lo. A meu ver, esta é uma ponte entre os nenúfares e as glicínias.”

Outra curadora do museu, Frouke van Dijke, confirma como esta descoberta foi “uma grande surpresa, especialmente porque o foco é sempre nos nenúfares e por isso ninguém liga às glicínias” — um dos mais recentes óleos da série dos nenúfares, Nymphéas en fleur (1914-17), foi vendido por 71,4 milhões de euros em 2018 no chamado “leilão do século”. A pintura das glicínias em causa foi comprada pelo Gemeentemuseum em 1961 e vai estar no centro da exposição Monet — The Garden Paintings, centrada na sua produção entre 1900 e 1926, quando vivia na sua propriedade de Giverny e pintava obsessivamente a sua vegetação e as suas flores.

O Gemeentemuseum tem cinco pinturas de Monet, incluindo a agora mais rica Wisteria (1917-20), uma representação da planta florida e odorífera que engalana até hoje a Ponte Japonesa da Fundação Monet e seus jardins em Giverny, e que o escritor Marc Elder descreveu como “atravessar um tubo de baunilha” onde pendem “cachos brancos e malva, de um malva ligeiro que se diria pintado a aguarela”.