Benfica-Sporting: o duelo esperado pelo título arranca nesta sexta-feira

Pela 11.ª vez em 15 temporadas, o derby vai ajudar a encontrar o campeão nacional, numa final à melhor de cinco jogos.

Nova final nacional de futsal entre Benfica e Sporting promete indecisão até ao fim
Foto
Nova final nacional de futsal entre Benfica e Sporting promete indecisão até ao fim LUSA

No ano em que o futsal português continuou a marcar presença nos grandes palcos e decisões, Benfica e Sporting reencontram-se para mais uma final do campeonato nacional. A decisão, à melhor de cinco jogos, arranca já hoje (21h30), no pavilhão da Luz (já com lotação esgotada), naquele que será o 102.º embate entre “águias” e “leões”.

Nos últimos 15 anos, a final do campeonato de futsal entre Benfica e Sporting aconteceu 11 vezes e os “leões” foram os vencedores em seis ocasiões. Desta vez, a equipa verde e branca pode alcançar um inédito tetracampeonato nacional, o que será uma segunda proeza numa época em que conquistou a primeira Liga dos Campeões da sua história e também já arrebatou a Taça de Portugal, justamente às custas do rival, e a Supertaça. 

O Benfica, sete vezes campeão nacional, conquistou a Taça da Liga em Janeiro, frente ao Sp. Braga, e manteve um percurso praticamente imaculado na fase regular. No primeiro lugar, o conjunto de Joel Rocha perdeu apenas um jogo, precisamente frente ao Sporting, em Fevereiro, por 6-1, depois de, na primeira volta, ter vencido o rival por 4-1. Os “encarnados”, actualmente o melhor ataque (177 golos marcados) e defesa (48 golos sofridos) da prova, colocam todas as “fichas” no campeonato, que lhes foge desde 2015. 

Sporting e Benfica também se encontraram na Liga dos Campeões, em Novembro, num jogo da ronda de elite que terminou empatado (1-1), mas acabou por sorrir aos “leões”, que chegaram à final a quatro. 

O Sporting, com o moral elevado nesta recta final de temporada, pode contar com Diego Cavinato (44 golos) e Dieguinho (32 e com três hat-tricks até agora) de “pé quente”. O técnico Nuno Dias, de resto, também não deverá abdicar da experiência de João Matos, Pedro Cary e Deo.

No Benfica, os brasileiros Fernandinho e Robinho têm participado e muito no “fabrico de golos”, tal como o capitão Bruno Coelho, entrando nesta equação ainda o guarda-redes Roncaglio, habitualmente um elemento extra no momento da organização ofensiva.

Para chegarem a esta final, os dois maiores clubes nacionais tiveram de sofrer. Nas meias-finais do play-off, decididas à melhor de três jogos, Benfica e Sporting foram forçados a um terceiro jogo, frente a Fundão e  Modicus, respectivamente, para confirmarem o apuramento.

Na final do campeonato passado, de resto, também foi preciso chegar à “negra” para entregar o título. Os “leões”, actuais tricampeões nacionais, levaram a melhor no desempate por grandes penalidades.