Três detidos por produção de cannabis num bunker em Alcobaça

Durante a operação foram apreendidas 249 plantas de cannabis, além de um sistema de produção artificial das plantas, quatro veículos e 260 euros em numerário.

As plantas de <i>cannabis</i> apreendidas
Foto
As plantas de cannabis apreendidas GNR Caldas da Rainha

Um homem e duas mulheres foram detidos esta quarta-feira no concelho de Alcobaça pelo Comando Territorial de Leiria da GNR, através do Núcleo de Investigação Criminal de Caldas da Rainha, por cultivo e tráfico de droga.

O homem de 21 anos e as duas mulheres, de 19 e 48 anos, respectivamente, foram detidos depois de os militares terem encontrado “num terreno um alçapão que dava acesso a um bunker, o qual servia de laboratório de produção de cannabis”, explica a GNR em comunicado.

Os detidos foram constituídos arguidos e dois deles encontram-se nas instalações da GNR, a aguardar para serem ouvidos em primeiro interrogatório judicial esta sexta-feira no Tribunal de Instrução Criminal de Leiria.

Durante a operação foram apreendidas 249 plantas de cannabis, além de um sistema de aquecimento e ventilação para a produção artificial das plantas — composto por lâmpadas de aquecimento, ventoinhas, depósitos de água, bombas de calor, ar condicionado e transformadores de elevada potência —, balanças de medição, uma prensa para a produção de placas de haxixe, três carros, uma mota e 260 euros em numerário.

Esta operação segue-se a buscas realizadas em Outubro de 2018, na sequência das quais “um homem de 44 anos foi constituído arguido, por posse e tráfico de estupefacientes”. A partir daí, “os militares iniciaram diligências que permitiram identificar outros suspeitos”, tendo sido realizada uma busca domiciliária à residência e viaturas dos mesmos.

Foi então que “foram detectadas várias plantações de cannabis, estufas de produção, zona de tratamento e secagem das plantas e espaços de armazenamento, com plantas em diferentes estados de maturação, assim como diverso material utilizado no cultivo das mesmas”, indica a GNR em comunicado.