Novos Activistas da Cultura Europeia: quem dança, a repressão espanta

Pode a dança levar à mudança? O quarto episódio de New Activists of European Culture (“Novos Activistas da Cultura Europeia”, em português) junta um jornalista e uma directora de arte para responder à questão. Este capítulo da série do Canal180, feita em parceria com a We Are Europe, junta Mathew Collin e Katarina Serulus em solo alemão para explorar a temática numa conversa que pode ser vista no episódio, de cerca de oito minutos, Can dancing lead to change?sobre a Rave Revolution.

Em Maio de 2018, forças policiais entraram nas duas principais discotecas LGBT da Geórgia, "sob o pretexto de encontrar traficantes de droga". Revoltadas, “as pessoas foram para a rua manifestar-se no dia seguinte, bloquearam a avenida principal da capital do país [Tbilisi], instalaram um sistema de som nos degraus do parlamento e manifestaram-se por dois dias, em 'modo rave', porque sentiram que a sua geração e a sua liberdade tinham sido atacadas”. O protesto dos 10 mil manifestantes da Rave Revolution terminou com sucesso: o ministro da Administração Interna acabou por pedir desculpa pela rusga policial. “Há uma ligação muito forte entre a club culture e o activismo, que tem evoluído ao longo dos anos”, defende Mathew. Katarina complementa a ideia do jornalista: “Os clubes nocturnos políticos e mais pequenos têm pessoas mais abertas que sabem que é importante para as suas comunidades, para as minorias, a existência de espaços para se expressarem e serem livres.”

O debate sobre activismo europeu não fica por aqui. O próximo episódio do projecto New Activists of European Culture convida um engenheiro civil e um ilustrador urbano para saírem à rua. "Como podem os cidadãos comuns tomar de volta os espaços públicos?": a resposta chega no quinto capítulo, que poderá ser acompanhado no P3.

Sugerir correcção