Socorro, tenho cinco baldes de lixo na cozinha!

Lipor iniciou no ano passado projectos de recolha porta a porta em algumas zonas dos oito municípios do Grande Porto. Iniciativa colide com falta de hábitos e um urbanismo impreparado.

É quinta-feira, dia de recolha de papel na área envolvente à estação de metro de Vila do Conde, uma das escolhidas pelo município local para integrar a primeira experiência, no concelho, da recolha de resíduos urbanos (RU) porta a porta, impulsionada pela empresa que gere os lixos da região, a Lipor. Às 21h, um camião segue à nossa frente, asseado, sem cheiros, e dois homens vão despejando alguns baldes de tampa azul que os habitantes deixaram na Rua da Lapa. Mas, mais à frente, boa parte dos moradores do primeiro prédio à entrada da Rua do Aqueduto já desistiu de participar nesta experiência, iniciada em Janeiro, e prefere usar os clássicos ecopontos. Que, dizem-lhes, vão ser eliminados.