Parlamento britânico declara “emergência climática”. É o primeiro país a fazê-lo

A decisão é simbólica e surge depois de um crescente número de manifestações pelo clima. O Governo do Reino Unido vai reforçar as medidas para combater as alterações climáticas.

O movimento Extinction Rebellion tem-se manifestado contra as alterações climáticas em Londres
Foto
O movimento Extinction Rebellion tem-se manifestado contra as alterações climáticas em Londres Reuters/HENRY NICHOLLS

O Reino Unido tornou-se o primeiro país do mundo a declarar estado de emergência ambiental. O Parlamento britânico aprovou esta quarta-feira uma moção, sem efeitos vinculativos, que reconhece a necessidade de reforçar o combate às alterações climáticas e à poluição.

A moção prevê que o Governo desenvolva novas medidas para neutralizar as emissões de carbono até 2050, aumentar o consumo de energias renováveis e minimizar o desperdício.

O secretário do Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais britânico, Michael Gove, explicou que a legislação a ser introduzida “em breve” pelo Governo vai estabelecer os “mais altos padrões de protecção ambiental”. Haverá uma “mudança radical” na forma de enfrentar “os desafios da mudança climática” e “uma degradação ecológica mais ampla”.

“Comprometemo-nos a trabalhar com outros países que tenham intenções sérias de acabar com a catástrofe climática e queremos deixar claro ao Presidente norte-americano, Donald Trump, que não pode ignorar os acordos internacionais e iniciativas para travar a crise climática”, afirmou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn.

“Não temos tempo a perder”, disse Corbyn. “Estamos a viver uma crise climática que irá acentuar-se de forma perigosa e descontrolada, a não ser que tomemos medidas rápidas e radicais”, prosseguiu, dizendo que já não se trata de um cenário “do futuro distante”.

Michael Gove, reuniu-se na terça-feira com membros de movimentos ambientalistas no Palácio de Westminster, disse o The Independent, e avisou que a situação actual é de emergência. “É uma crise e uma ameaça contra a qual nos temos de unir”, apelou. “Cinco dos anos mais quentes que este planeta sofreu aconteceram desde 2010 e as consequências para todos nós são visíveis”, alertou Gove sem deixar de relembrar as consequências das alterações climáticas no futuro.

O ministro também insistiu que o Governo irá “em breve” produzir legislação para garantir que o Reino Unido terá os “mais altos padrões de protecção ambiental”. Assegurou que marcará uma “mudança radical na forma como [o] país enfrenta os desafios da mudança climática” e uma “degradação ecológica mais ampla ”.

Nas últimas semanas, o movimento Extinction Rebellion tem feito manifestações nas cidades britânicas. Em algumas foi anunciado a intenção de reduzir a pegada de dióxido de carbono. A influência dessas manifestações pelo clima tem-se espalhado por outros países, tendo já chegado a Portugal – um manifestante interrompeu o primeiro-ministro, António Costa, no discurso do 46.º aniversário do Partido Socialista (PS).